quinta-feira, 01/04/2021
Secretário Jorge Campagnolo: falta informação

Falta informação no Nordeste para investimentos em inovação, reconhece secretário

Enquanto no eixo Rio-São Paulo, o setor de inovação está bem difundido, na região Nordeste e, especificamente, em Sergipe, a falta de informação ainda é um grande problema. Essa gritante diferença fica bem à mostra, quando apenas uma empresa sergipana se beneficia da Leia do Bem. Através dessa lei, pode-se deduzir do Imposto de Renda Pessoa Jurídica(IPRJ) e da Contribuição Sobre o Lucro Líquido (CSLL) no sistema de tributação do lucro real, os investimentos em pequisa e inovação. Essa orientação, que poucos tinham conhecimento, foi dada pelo secretário de Empreendedorismo e Inovação, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação (MCTIC), Jorge Campagnolo.  Ele reconheceu que no Nordeste e em Sergipe  não há muita  informação sobre estes benefícios, mas disse que sua pasta está alinhada com o SergipeTec. Mesmo assim, somente duas empresas do Nordeste – uma de Sergipe e outra de Pernambuco – são beneficiadas com a Lei do Bem. Questionado se, de agora em diante, a sua pasta  terá um olhar mais cuidadoso para com  Sergipe, Campagnolo afirmou  que o SergipeTec  já é parceira da secretaria há muito tempo.  Veja a entrevista que o Só Sergipe fez com Campagnolo, durante uma pausa para o café, no evento Teias, Perspectivas e Futuros para a inovação em Sergipe”,  na última terça-feira, no SergipeTec.

SÓ SERGIPE – O senhor falou sobre inovação, criação de lei, etc., mas quando se referiu a Sergipe, os dados mostram que aqui é algo muito tímido, está engatinhando nesse sentido.

JORGE CAMPAGNOLO – A ideia é tentar fortalecer novos ecossistemas de inovação. O Estado de Sergipe tem potencial, tem densidade, tem um setor empresarial que está crescendo. Mas precisa se organizar para fortalecer ecossistemas e fazer com que a inovação, o empreendedorismo aconteça.

SS – Seria uma atribuição da sua pasta ter um olhar mais cuidadoso com Sergipe, ou os empresários é que têm que procurar as instituições e se engajar nisso?

JC – Nós estamos aqui para tentar apoiar, tentar chamar as universidades e empresários nesse caminho da inovação e empreendedorismo. Nós precisamos de todos nessa teia de inovação para que a fortaleçamos no Estado.

SS – Percebe-se o desconhecimento de muitas pessoas no que diz respeito às leis. Um dos exemplos é a Lei do Bem, que só uma empresa aqui em Sergipe tem os benefícios.

O evento Teias, no SergipeTec, na última terça-feira

JC – São poucas e realmente vemos que o país tem muitos instrumentos de apoio. E por falta de comunicação, existem dificuldades de chegar na ponta. O objetivo desse nosso evento é trazer oportunidades em que outros Estados maiores estão vendo, mas os menores ainda não têm, por dificuldade de comunicação, esse acesso.

SS – Estamos falando de Sergipe, mas em toda a região Nordeste existe essa dificuldade, enquanto que na região Sudeste não há esse tipo de problema.

JC – Na região Sudeste há mais facilidade, então, temos que alcançar esses locais que têm potencial. Aqui em Sergipe tem boas universidades, institutos, gera conhecimento, tem potencial empresarial. Tem tudo para funcionar e temos que colocar essa teia para funcionar, colocar o emaranhado a favor do empreendedorismo e inovação.

SS – Essa sua vinda aqui a Sergipe pode dar um start motivacional?

JC – Temos todos que trabalhar. Eu sou apenas um palestrante.  A ideia é realmente motivar o sistema e criar esse espírito de corpo.

SS – A partir de agora, o senhor fica mais ligado ao Estado, mais contato com o SergipeTec?

JC – O SergipeTec nós já apoiamos há um bom tempo e temos parceria. Os recursos para construir o parque foi um convênio do ministério com nossa secretaria. Temos um longo contato e a ideia do Teia é alimentar esse contato. O ecossistema começa a trabalhar para colher os frutos mais tarde.

SS – E não faltam recursos financeiros para isso, não é verdade?

JC– Há programas, benefícios fiscais, mas tem que ir atrás. Os recursos de oportunidade. Mas a gente tem que capturar essas oportunidades. São recursos que estão nas empresas que podem investir. Eu falei de dois programas, a Lei de Informática e a Lei do Bem. Agora, tem que ter as parcerias.

Leia Também

Indústria de cerâmica anuncia nova linha de produção em Sergipe

Sergipe acaba de receber mais uma ótima notícia no setor industrial: a Cerâmica Serra Azul,  …