quarta-feira, 12/06/2024
olheiras
Qual o seu subtipo de olheira? Imagens: Pixabay

Nem sempre olheiras denunciam cansaço!

Compartilhe:

Por Charles G. Albuquerque (*)

 

Estão chegando as festas de final de ano, muita gente começa a perder noites de sono e, no dia seguinte, as olheiras estampam o cansaço na face.

Nesta coluna você vai descobrir que nem sempre olheiras são respostas ao cansaço. Existem vários tipos de olheiras e para cada uma delas há uma explicação e uma abordagem diferente.

As olheiras são classificadas em primária e secundárias.

As olheiras primárias, também chamadas de genéticas, são aquelas causadas por uma condição individual, determinada geneticamente, na qual a pessoa possui um excesso de melanina depositado nas pálpebras. Esso tipo de olheira é mais frequente em mulheres adultas de cabelos naturalmente escuros.

As olheiras secundárias são aquelas provocadas por um fator causal externo. Entre as olheiras secundárias a mais frequente é a olheira provocada pelas dermatites palpebrais (inflamação recorrente das pálpebras). São exemplos de problemas que provocam olheiras por dermatites nas pálpebras:

– Dermatite atópica

– Dermatite de contato

– Rinites alérgicas com coceiras recorrentes nas pálpebras

Nesses casos, citados acima, a inflamação associada à coceira, com fricção recorrente das pálpebras, pode levar ao aumento da melanina.

Outra causa de olheira secundária é o uso de colírios à base de algumas substâncias que levam ao escurecimento local. Como exemplo, a bimatoprosta e a lanatoprosta podem aumentar em até seis vezes o número de melanócitos nas pálpebras, e com isso elevar em até 250 vezes os depósitos de melanina na pele palpebral.

O fotodano (foto-envelhecimento) é outra causa de olheiras na vida adulta. A exposição solar sem proteção (sem uso de óculos e creme com fator de proteção solar) ao longo da vida, leva a uma atrofia (afinamento) da camada de gordura e de colágeno palpebral deixando os vasos palpebrais mais expostos e a região mais desidratada, predispondo ao surgimento de olheiras na vida adulta.

Por fim, o processo natural de envelhecimento pode levar a alterações das estruturas musculo-cutâneas faciais, favorecendo o surgimento de bolsas de gorduras palpebrais e olheiras.

Como prevenir olheiras:

– Tratar, precocemente, as irritações e inflamações palpebrais;

– Conversar com o médico sobre os colírios prescritos;

– Evitar exposição solar sem a proteção correta (creme facial com fator de proteção e óculos com lentes UV400).

Se você já tem e se incomoda com suas olheiras, fale com seu médico, ele vai descobrir e classificar qual o seu subtipo de olheira e, se ela for passiva de tratamento, ele poderá lhe prescrever o tratamento ideal que vai desde o uso de cremes com substâncias clareadoras, peelings ácidos,  laserterapia específica e até preenchimentos.

Mas se você está “de boas” com aquelas olheiras que surgem como denúncia de uma noite de folia mais prolongada, faça um chá de camomila ao acordar, tome uma xícara para acalmar o dia e reserve uma parte para fazer uma compressa gelada de cinco minutos nas pálpebras que pode levantar seu ânimo e seu olhar.

Espero que você tire o melhor proveito dessas informações e lembre-se:

“Com olheiras ou sem olheiras, a forma de enxergar a vida encanta mais do que a forma dos olhos que a enxergam.”

Afinal, enxergar a vida à flor da pele, não é uma opção, é uma condição.

“Nós temos opiniões diversas, porém nossos olhares convergem aos mesmos pontos, aos mesmos sonhos: E você foi um desses sonhos.” (Trecho de O Dote de Letícia – Pág. 177)

 

Um grande abraço.

 

Compartilhe:

Sobre Charles Albuquerque

Charles Albuquerque
Médico, expert em feridas.

Leia Também

Luiz Thadeu

Andanças pelo mundo, realizando sonho

Por Luiz Thadeu Nunes (*)   Retornei de Portugal no início da semana. Viagem longa, …

WhatsApp chat