quarta-feira, 01/09/2021
O criador e sua cria

A tecnologia do povão

Iginio Rivero Moreno (*)

Já na década do 2000, Venezuela tinha umas políticas de Estado que impulsionavam o reconhecimento aos inventores populares. Artesãos, tecnólogos populares, artistas e criadores do povo que davam sustento à ideia da independência tecnológica, conceito que deviam assumir as universidades e instituições do Estado venezuelano. Cria-se o Ministério da Ciência e Tecnologia que certificava esse pessoal como mestres especialistas. O processo era feito em combinação com o Ministério da Cultura. Processo interessante para o desenvolvimento do país.

Os países que são chamados de “desenvolvidos” devem essa denominação, principalmente, ao reconhecimento que deram a seus inventores  que definiram a sua tecnologia e a sua indústria.

Tudo isso chega à minha memória por causa de um vídeo anônimo de Whatsapp que o meu amigo e irmão, o mestre artesão Bebeto Souza, enviou para mim. Naquele vídeo se observa um homem mostrando o seu invento: uma moto elétrica sustentada por energia solar, um aparelho totalmente autônomo que se permite mobilizar e transportar as suas mercadorias. Construído com materiais reciclados e desenhado por aquele rapaz que emociona a gente. Além do seu espetacular trabalho, a sua autoestima ao falar: “…não é Japão não, é Sergipe, aqui também temos gente inteligente…” (Assista ao vídeo abaixo)

O orgulho latino-americano palpita no meu coração ao sentir que somos culturalmente iguais, que  só a língua é a nossa maior diferença. Que aquele personagem, que ainda um dia quero ter a honra de conhecer,  encarna os milhares de inventores de tecnologia popular do  nosso grande povão continental.

(*) Poeta e artesão venezuelano. Licenciado em Educação, especializado em Desenvolvimento Cultural pela Universidade “Simón Rodríguez”, Venezuela.

** Esse texto é de responsabilidade exclusiva do(a) autor(a).  Não reflete, necessariamente, a opinião do Só Sergipe.

Leia Também

Os estranhos cavalinhos de J. J. Veiga

O nome do livro já provoca um meio-espanto: Os Cavalinhos de Platiplanto. O curioso pergunta-se: …