sábado, 16/10/2021
Charles Chaplin, escultura viva, na praça Zilda Arns/Aracaju

As artes na rua

Iginio Rivero Moreno (*)

Por diferentes motivos, falta de tempo, de dinheiro por ter uns orçamentos limitados, ou ambos os motivos, não temos a possibilidade de curtir um espetáculo artístico bom. Ir ao cinema, ao circo, ao concerto musical, ao teatro, a uma exposição de pintura ou escultura…

Justificado nos custos, as empresas artísticas, às vezes, se voltam inacessíveis ao povo. E mais ainda ao povão, que na maioria dos casos tem orçamentos curtos pelas necessidades básicas.

Então é aí que os artistas de rua, seja qual for seu nível, desempenham um papel importante levando mostras de talento e esforço artístico pelas ruas, democratizando o acesso às artes para quem não consegue curtir, por diferentes motivos, os espetáculos oferecidos pelas empresas do “entretenimento”.

Contribuir com a arte não é uma esmola

Malabares na Praça Alameda das Árvores/Aracaju

Porém é importantíssimo não degradar nem confundir o grande esforço do artista de rua com mendicidade. A sua contribuição para um artista da rua não representa um pagamento, porque não tem taxa, é livre, depende da sua intenção.  Tampouco é uma esmola, já que o artista dedica o seu tempo, esforço, criatividade, recursos financeiros, para preparar um espetáculo aberto a todos, ele não é um mendigo.

Portanto, contribuir não é uma obrigação nem é um ato de piedade. Contribuir representa a superação da ignorância, o sentido de gosto pelas artes, a sensibilidade e evolução cidadã. Representa a sua avaliação pela apresentação. Mas, jamais deveria ser um ato de misericórdia como a esmola nem muito menos merece um artista de rua expressões da mais precária mostra de brutalidade e ignorância com insinuações e ofensas para um trabalho altamente digno.

O comportamento nosso, no que diz respeito às artes, mostra nosso nível de desenvolvimento humano.  E nosso apoio aos artistas em geral contribui com o fortalecimento econômico, social, e da nossa condição cidadã, impulsando o turismo e outras áreas da microeconomia local e nacional.

 

(*) Poeta e artesão venezuelano. Licenciado em Educação, especializado em Desenvolvimento Cultural pela Universidade “Simón Rodríguez”, Venezuela.

** Esse texto é de responsabilidade exclusiva do(a) autor(a).  Não reflete, necessariamente, a opinião do Só Sergipe.

Leia Também

No Dia Mundial do Pão, Sindipan doa 20 mil pães na Barra dos Coqueiros; preço do saco de trigo preocupa

Para marcar o Dia Mundial do Pão, comemorado hoje, 16,  o Sindicato das Indústrias de …