sexta-feira, 18/10/2019
Início » Artigos » O perfil do investidor conservador
Rádio FecomercioPowered by Rock Convert
O investidor conservador

O perfil do investidor conservador

Compartilhe:
David de Andrade Rocha (*)

Semana passada, falamos como é importante conhecermos nossos perfis de investidores, antes mesmo de começarmos a investir. Isso evita que cometamos erros que não contribuiriam em nada para o nosso processo de enriquecimento.

Hoje nos aprofundaremos no tema, falando mais especificamente sobre o perfil conservador.

Em meu livro, “Tesouro Direto – Um caminho para a liberdade financeira”, demonstro que o investidor de perfil conservador é aquele que apenas quer saber se seu dinheiro está seguro e rendendo, mesmo que pouco. Para ele, se o rendimento estiver superando a inflação já está perfeito. Porém, não gosta de avaliar gráficos e nem está antenado com as mais novas notícias econômicas.

Pela definição acima, podemos ver que o investidor com esse perfil tem maior predileção por ficar na Renda Fixa ou em Fundos de Renda Fixa, pois esses lhe trazem uma rentabilidade atraente levando em consideração o risco que aceitam correr.

Lembrando que investir é isso: dosar o risco e só entrar se trouxer a possibilidade de rentabilidade aceitável. No caso do investidor conservador, o risco deve ser mínimo. Logo, a rentabilidade dificilmente será estupenda.

É por esse motivo que muitas pessoas ainda deixam suas economias na Caderneta de Poupança, já que não querem correr riscos. Mas, nesse caso, esses investidores estão cometendo um assassinato financeiro de seu dinheiro, já que há algum tempo o rendimento da poupança perde para a inflação.

Isso acontece frequentemente por falta de conhecimento, mais até que por medo de perder o dinheiro. Aliás, o medo é apenas a consequência da falta de conhecimento sobre os produtos financeiros existentes no mercado e que podem ser usados para investir com total segurança. Abaixo, cito alguns produtos que o investidor de perfil conservador poderia colocar seu capital para que rendesse mais que a inflação e com total segurança.

Tesouro Selic

Considerado o título mais seguro e previsível do país. Apesar de sofrer algumas oscilações bem pequenas, o Tesouro Selic é o título mais conservador encontrado no Tesouro Direto. Ele é protegido pelo próprio Tesouro Nacional e por isso é o único título no país tido como de risco zero.

O rendimento do Tesouro Selic é igual a 100% da Taxa Selic e a remuneração do capital se dá diariamente (em dias úteis), logo, não precisa esperar um mês para sacar alguma rentabilidade.

Sobre o Tesouro Selic incide IR pela tabela regressiva e também IOF para resgates feitos antes de 30 dias do início do investimento.

Em média histórica, mesmo com o imposto, o Tesouro Selic rende por volta de 30% a mais que a poupança para o mesmo período de investimento.

CDBs de bancos com Grau de Investimento

Outro produto muito seguro são os Certificados de Depósito Interbancário, no qual você empresta dinheiro ao banco e esse empresta a outras pessoas, gerando assim um fluxo de pagamento para o banco, que repassa parte desse fluxo para o investidor na forma de juros.

Existem diversos tipos de CDBs com taxas muito variáveis, mas, o que nos importa nesse momento é saber qual CDB não escolher para o perfil conservador.

Se o mantra desse investidor é não ter dor de cabeça, ele deve buscar investimentos em CDBs que sejam de bancos agraciados com o Rating de Grau de Investimento pelas agências classificadoras de risco, pois, esses bancos são considerados menos propícios a quebrar no curto prazo.

Embora todo CDB seja protegido pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), o investidor conservador não quer ter a dor de cabeça de esperar o FGC pagá-lo, caso o banco quebre, já que é um processo demorado. Sendo assim, escolhendo um banco mais seguro evitaria um possível problema futuro.

LCI/LCA

Um ativo queridinho de investidores de todos os perfis, principalmente os conservadores, essas letras de crédito são empréstimos que os investidores fazem aos bancos para emprestarem a construtoras e ao agronegócio. Funcionam de modo semelhante aos CDBs, mas são isentas do IR e se bem escolhidas podem render ainda mais.

Aqui fica novamente a dica para aqueles de perfil conservador, busquem LCI/LCA de bancos com grau de investimento, pois, com pouca chance do banco quebrar e ainda a garantia do FGC o investidor poderá dormir com bastante tranquilidade.

Fundos de Investimentos de Renda Fixa

Por fim, vamos falar dos fundos de investimentos de Renda Fixa. Esses fundos funcionam como condomínios em que diversos investidores alocam seu capital e um gestor escolhe os ativos nos quais o Fundo investirá, obedecendo às regras descritas em seu estatuto.

A vantagem de Fundos de Investimentos em relação a outros ativos de Renda Fixa é clara, a diversificação, pois com pouco capital é possível investir em um fundo com diversos ativos, podendo aproveitar um pouco da rentabilidade de cada um deles.

Para selecionar um Fundo desse tipo, o melhor para o investidor conservador é escolher um com liquidez diária e que só possa investir em ativos que tenham o selo de Grau de Investimento. Pois, assim, o investidor poderá ficar tranquilo quanto ao desempenho do Fundo ao longo do tempo.

Logicamente esses ativos servem para a parte livre de risco da carteira de qualquer investidor, mas não tomem esse texto como recomendação e sim como reflexão para saber escolher investimentos que correspondam à sua visão de risco retorno.

(*) David Rocha escreve semanalmente, às terças-feiras. Ele é assessor de investimentos e educador financeiro, que vive o mercado diariamente, desde 2011, e autor do livro “Tesouro Direto – Um Caminho para a liberdade financeira “, de 2016.

Compartilhe:

Leia Também

Você compra por impulso ou porque realmente precisa?

Quando falamos de educação financeira, o primeiro pensamento que vem em nossas mentes é que …

WhatsApp chat