quarta-feira, 12/05/2021
Roberto Carlos Currais: "Melhoria da qualidade no fornecimento de energia"

Energisa anuncia investimento de R$ 143,1 milhões em Sergipe

O diretor-presidente da Energisa Sergipe, Roberto Carlos Currais, anunciou ontem, em entrevista coletiva, que a concessionária fará um investimento de R$ 143,1 milhões este ano, visando, dentre outras coisas, a melhoria na qualidade no fornecimento de energia. A quantia é 62% maior  que o valor estimado para 2020 e este percentual é superior ao que a empresa investirá no Brasil: serão R$ 3,9 bilhões, 60% a mais que o valor estimado para o ano passado.

A maior parte dos recursos serão destinados à construção e manutenção de subestações, linhas e redes; combate ao furto de energia; renovação das frotas e às obras de melhoria da segurança visando a melhora da qualidade do fornecimento.

No item combate ao furto de energia – o popular gato – Roberto Carlos (RC) mostrou um dado interessante: entre as cinco a seis mil inspeções realizadas mensalmente, em 45%  delas são detectadas irregularidades. Para detectar esses problemas, a Energisa faz análise das contas, além de receber denúncias da população, dentre outras análises.

Na coletiva, RC  ressaltou que a concessionária vai investir R$ 6,3 milhões no combate ao furto de energia, que causa prejuízo para toda a sociedade. “Quem paga esse prejuízo é a sociedade”, lamentou RC. A empresa perde 140 gigawatts/hora de energia, o que equivale a um ano de fornecimento num município.

Embora furto seja caso de polícia, RC disse que a concessionária dialoga com os órgãos públicos estadual e municipais, mostrando a necessidade de regularizar algumas áreas que são invadidas, para que aquela comunidade possa ter energia elétrica. Sem essa normalização, a empresa não pode fornecer energia elétrica.

Obras

Para este ano, a Energia planeja realizar diversas obras na região, um investimento de R$ 21,5 milhões. Estão definidas a melhoria e ampliação do fornecimento de energia no Estado, como a ampliação da subestação Curituba, em Poço Redondo, e da subestação Graccho Cardoso, a construção da Linha de Transmissão para interligação da subestação de Jardim com a Seccionadora Nortista e obras de interligação para manobra e redistribuição de carga nos municípios de Lagarto, Itaporanga, Propriá e Itabaiana.  A empresa ainda tem disponível R$ 105,9 milhões para obras sob demanda.

Com aproximadamente 806 mil clientes divididos em 63 dos 75 municípios sergipanos, a Energisa emprega, em média, 1,5 mil colaboradores diretos e indiretos. Mas os números da concessionária não param aí. São 33 subestações, 380 mil postes, 51 mil transformadores, 27,6 mil quilômetros de cabos e redes, 343 veículos. A Energisa é uma das maiores pagadoras do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em Sergipe:  R$ 312,4 milhões.

PIX

De acordo com RC,  a Energisa Sergipe tem investido bastante em tecnologia, até mesmo para atender a uma demanda do consumidor sergipano que  prefere utilizar a tecnologia digital. Tanto que, a partir de amanhã, 11, os consumidores poderão fazer o pagamento das contas através do PIX.

A concessionária implementou a negociação de débitos, o pagamento parcelado das faturas em até 12 vezes, o pagamento através de cartão de crédito e a novidade foi o agendamento. A empresa tem o totem de atendimento na agência Siqueira Campos e, possivelmente, em março, haverá uma unidade no Ceac do Shopping RioMar.

Brasil

Ao todo, o Grupo Energisa, maior empresa privada de capital nacional do setor elétrico, prevê investimentos de R$ 3,9 bilhões para este ano, sendo R$ 2,8 bilhões destinados às concessionárias de energia, R$ 833,8 milhões aos empreendimentos de transmissão e R$ 214,8 milhões aos serviços 4D.

Os serviços 4D da Energisa – descarbonizados, descentralizados, digitalizados e diversificados – ,  através de suas  divisões Asol e Energisa Soluções,  serão 350% maior do que em 2020. O foco crescente em serviços baseados em tecnologias, com forte componente de sustentabilidade e energia renovável é uma das apostas do grupo para os próximos anos.

Leia Também

Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia

Sete em cada dez micro, pequenas ou médias empresas (73,4%) do país estão fazendo vendas online durante …