sexta-feira, 26/11/2021
O sistema imunológico garante proteção do nosso corpo contra infecções Foto: Uihere

A Fome no Mundo

Iginio Rivero Moreno (*)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) fala que a agenda de fome zero para 2030 está em dúvida frente ao crescimento exponencial da fome e má nutrição no mundo. Aproximadamente 690 milhões de pessoas passam fome. Para 2018, 60 milhões a mais que em 2014. Segundo a OMS, os efeitos econômicos negativos, produto da Covid-19, puderem aumentar essa cifra acima dos 800 milhões de pessoas com fome.

Segundo a equipe de Tarefas de Alto Nível do Secretário Geral da ONU sobre Seguridade Alimentar e Nutrição Mundial  para 2018, 1 de cada 10 seres humanos estava sofrendo de má nutrição, e que, a fome e má nutrição, é o principal risco de saúde no nível mundial, causa de múltiplas doenças, incluso maior que a AIDS, a malária e a tuberculose juntas.

São temáticas que passam despercebidas. …“ por debajo de la mesa” (por embaixo da mesa) dizemos na Venezuela. Sem restar um mínimo de importância na urgência que certamente atinge parar o desenvolvimento da pandemia da Covid-19. Acho de vital  importância aprofundar neste tema da alimentação.

Por que eu digo isso?

A boa nutrição é o responsável direto de um sistema imunológico ótimo, que garante a maior defensa contra as ameaças virais, principalmente, entre outras doenças de tipo infecciosas. O que conecta diretamente com o número de pessoas contagiadas pelo coronavírus que apresenta uma imunidade fraca, causada por fatores como patologias crônicas, mas na sua maioria dos casos é má nutrição a razão causal.

Segundo pesquisadores da equipe de Tarefas de Alto Nível do Secretario Geral da ONU sobre Seguridade Alimentar e Nutrição Mundial, dois bilhões de pessoas estão mal nutridos. O que dá um diferencial em quanto que não é fome por falta de ingestão alimentar, senão por um consumo de alimentos desnutritivos, como são os alimentos industrializados e rotinas erradas dos hábitos que levam ao desenvolvimento de doenças crônicas, como a obesidade, a diabetes, a hipertensão, entre outras, e que são as doenças de alto risco que padecem a maioria das vitimas fatais da Covid-19.

“Claro que NÃO SOU CONTRA a vacinação”

Só quero refletir como ser pensante e com censo crítico sobre as causas reais. Ainda bem que temos uma resposta em andamento com relação à vacinação. Mas temos capacidade de resposta similar ante às futuras pandemias que os cientistas estão anunciando?

Os danos ambientais continuam eliminando espécies vegetais e animais, obrigando os seus micro moradores (vírus, fungos, baterias) a fazerem mudança até outros organismos vivos (humanos), como tem sido esta mostra inicial do coronavírus.

Não seria mais inteligente e prático assumir mudanças radicais no modo de produção obsoleto do Sistema Mundo atual, além de ideologias direcionais, com maior protagonismo e responsabilidade cidadã?

(*) Poeta e artesão venezuelano. Licenciado em Educação, especializado em Desenvolvimento Cultural pela Universidade “Simón Rodríguez”, Venezuela.

** Esse texto é de responsabilidade exclusiva do(a) autor(a).  Não reflete, necessariamente, a opinião do Só Sergipe.

Leia Também

Como o investidor deve se proteger da volatilidade num cenário de incertezas

Olá, investidor, tudo bem? Que o Brasil vem passado por um momento muito instável todos …