terça-feira, 18/06/2019
Início » Editorias » Negócios » Assedis responsabiliza Sergas pelo fechamento da Escurial
Duplichaves
Sede da Escurial, em Nossa Senhora do Socorro

Assedis responsabiliza Sergas pelo fechamento da Escurial

Publicado em 18 de maio de 2019, 09:48

A Associação das Empresas do Distrito Industrial de Socorro (Assedis) emitiu uma nota pública responsabilizando a Sergas pela hibernação da Escurial, que resultou no fechamento de 600 postos de trabalho diretos e indiretos. A entidade diz que a tarifa praticada pela Sergas “é extorsiva” e que o Governo do Estado “não possui poder decisório suficiente para determinar as diretrizes da companhia, hoje liderada pela multinacional Mitsui”.

A Assedis lamentou o fechamento da Escurial e disse que “a tarifa praticada pela Sergas é uma das mais altas do Nordeste e do Brasil e tem tirado a competitividade das empresas instaladas em Sergipe e servido de desestímulo para atração de novas empresas que tenham demanda elevada de gás, mesmo com os incentivos do PSDI (Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial)”.

Na sexta-feira, a Escurial comunicou ao mercado que paralisou a unidade fabril, depois de 26, responsabilizando a Sergas pelas altas tarifas do gás. “O motivo determinante para essa decisão foi o preço do gás cobrado pela Sergas, empresa do Governo do Estado de Sergipe”, afirmou. A Escurial também informou que vai se transferir para outro Estado do Nordeste.

A Assedis afirma que os altos custos que a Sergas impõe ao empresariado “termina constituindo um círculo vicioso, uma vez que a empresa alega que a tarifa é alta por ter um mercado consumidor pequeno e esse mercado não cresce porque a tarifa praticada é extorsiva. Com a paralisação de um grande consumidor como a Escurial só vamos agravar ainda mais o valor tarifário”.

Agrese política

A entidade que representa cerca de 89  empresas do Distrito Industrial de Socorro, alerta sobre a necessidade de uma revisão no contrato de concessão atual. Segundo  a Assedis, “este contrato não garante a economicidade necessária para os consumidores e não contempla as novas condições e regras de alterações tarifárias envolvendo o destacamento dos custos da molécula e das taxas de movimentação (TMOV) entre outras inadequações contratuais”.

A Assedis, por sua vez, além de reforçar as críticas da Escurial feitas à Sergas, também sugere que a Agência Reguladora de Serviços Públicos de Sergipe (Agrese) tenha “uma composição menos política e mais capacitada tecnicamente para exercer uma condição tarifária e regulatória mais adequada aos interesses dos consumidores e que possam contribuir com todas as mudanças necessárias para a regulação do novo cenário gás natural brasileiro”.

Por fim, a Assedis acredita que a partir deste “lamento possamos transformar em uma força de mobilização junto com as demais entidades setoriais para mudanças urgentes e efetivas nos pontos nevrálgicos que travam nossa economia. Nestes momentos precisamos fortalecer nossa resiliência e agir coletivamente para preservamos a esperança de dias melhores”.

Leia Também

Teles vão criar lista de “não perturbe” em 30 dias

O comerciário José de Oliveira Souza parece que vai ter sossego dentro de algum tempo. …

Comentários