domingo, 12/07/2020

Escurial hiberna e 600 perdem o emprego em Socorro

Compartilhe:

A Cerâmica Sergipe Ltda. (nome de fantasia Escurial),  localizada em Nossa Senhora do Socorro, comunicou  hoje, 17, que a empresa iniciou, no último dia 15, o processo de hibernação do parque industrial, e já estuda a possibilidade de mudar a unidade fabril para outro Estado nordestino. Em nota, a empresa  culpou diretamente a Sergas pela hibernação, dizendo que “a política de preços encontra-se abusiva” e que isso  motivou, também, a hibernação da Fafen. Com a hibernação, estarão perdidos 600 empregos diretos e indiretos.

Na nota pública, a empresa diz que “o motivo determinante para essa decisão foi o preço do gás cobrado pela Sergas, empresa do Governo do Estado de Sergipe”.  A nota diz, também, que a Cerâmica Sergipe contestou judicialmente  a Sergas pelo preço abusivo, “inclusive com  pedido de perdas e danos”.

A empresa lamenta as demissões e diz que “a perda  de arrecadação de tributos, redução de ambiente de negócios, são fatos que se sobrepõem a qualquer discurso teórico-político. Nenhuma empresa ou empresário tem satisfação em hibernar, mudar ou relocar uma Unidade, mas as condições operacionais só existem se houver uma política real de fomento à atividade produtiva”.

O SÓ SERGIPE tentou, por diversas vezes, falar com dono da empresa, mas ele não retornou às ligações.

Cortado

O presidente da Associação das Empresas do Distrito Industrial de Socorro (Assedis), Celso Horishi Hayasi, diz que o Brasil inteiro sofre com o problema do gás, monopólio da Petrobras. Segundo ele, a Cerâmica de Sergipe teve o fornecimento cortado no dia 15, por isso deixou de operar.

“O gás natural do Brasil é o mais caro do mundo. E esse cenário atinge Sergipe, cujo preço praticado no Estado é um dos mais caros do Nordeste. Já tivemos varias baixas de empresas aqui em Socorro em diversos setores, como têxtil”, disse Celso. Em Socorro existem cerca de 85 empresas.

O economista Rodrigo Rocha, do Instituto Euvaldo Lodi,  da Federação das Indústrias de Sergipe (FIES),  afirmou que  em 2014 havia no Estado 11 empresas de cerâmica vermelha (telhas e blocos) e em 2017 caiu para 91. Em 2014 eram 3.291 trabalhadores e em 2017, 2.182. Um déficit de 1.109 empregos.

Sergas se pronuncia

No final desta manhã, a Sergás enviou uma nota rebatendo as críticas da Escurial. A nota diz que os gestores estavam devendo à Sergás e garantiu que nunca forneceu gás a Fafen, como foi colocado no texto da Escurial.

Veja a nota da Sergás

“Inicialmente, a Sergas gostaria de esclarecer que a suspensão do fornecimento de gás da Escurial, como é conhecida popularmente a empresa Cerâmica Sergipe Ltda, ocorreu devido ao inadimplemento das faturas mensais, diferente do acordado em contrato estabelecido e em conformidade com o acordo de recuperação judicial vigente.

A Sergipe Gás S/A forneceu gás natural à Cerâmica Sergipe Ltda e os gestores da Escurial não arcaram com a responsabilidade acordada, deixando de pagar e devendo o equivalente a mais de 100 dias do seu consumo diário. Para a Sergas, o que aconteceu foi o consumo do fluxo de caixa da companhia, o que torna o fornecimento de seus serviços financeiramente inviável enquanto a inadimplência das referidas parcelas não for resolvida.

Em outro ponto da nota em questão, a SERGAS também é responsabilizada pelo processo de hibernação da FAFEN/SE. Na realidade, a SERGAS não fornece e nunca forneceu gás natural à Fabrica de Fertilizantes do Estado de Sergipe, mostrando mais um equívoco dos gestores da Escurial.

Além disso, lembramos que, mesmo com a participação do Estado de Sergipe como acionista, a Sergas é uma companhia de direito privado, o que a caracteriza como uma sociedade de economia mista. Dito isso, a companhia honra com a concessão feita pelo Estado, ao mesmo tempo que precisa trabalhar com a sua própria sustentação financeira.

Por fim, a Sergas como uma empresa sergipana, reforça o seu compromisso em ampliar a infraestrutura e promover o desenvolvimento do estado sustentável de Sergipe. Honrando a concessão feita pelo Governo do Estado de Sergipe, a companhia sempre busca soluções para incrementar a competitividade do Gás Natural no estado e, consequentemente, incentivar as indústrias locais por meio de ações como a Chamada Pública de novos supridores de gás natural.”

Matéria atualizada às 12h44 para colocação do posicionamento da Sergas

 

Compartilhe:

Leia Também

“Prefiro estar quebrado, desempregado e vivo”, garante Ronildo Almeida, presidente Fecomse

“Prefiro estar quebrado, desempregado e vivo”. A afirmação é do presidente da Federação dos Empregados  …

Deixe uma resposta