segunda-feira, 19/10/2020
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro por vídeo Foto: EBC

Um auxílio emergencial de mil dólares: parece loucura, mas tem método!

Economia Herética/ Emerson Sousa

Desde o início do mandato do Sr. Bolsonaro, os jornalistas Reinaldo Azevedo e Carlos Andreazza, ambos da Band News FM, vêm popularizando versões de uma fala do personagem Polônio, na cena 2 do ato segundo da peça teatral Hamlet, de William Shakespeare (1564-1616), a qual é:

 

“Embora seja loucura, há nela certo método! ”

Polônio, personagem de Hamlet

Isso porque os arroubos do Sr. Bolsonaro sempre chocam, confundem, polemizam, provocam e afrontam a racionalidade e a sensatez, porém, sempre servindo a um objetivo. E esse, ao contrário do que se propaga, não é desviar atenções, mas fortalecer a posição do bando.

Esse fenômeno foi visto recentemente na 75ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), realizada no último dia 22 de setembro, quando, além de uma proficuidade de imprecisões, o referido mandatário declarou que:

“Nosso governo … Concedeu auxílio emergencial em parcelas que somam, aproximadamente, 1.000 dólares para 65 milhões de pessoas…”

Não houve quem não se escandalizasse com essa frase, afinal, a soma das três parcelas pagas pelo governo federal chega a um montante de R$ 1.800,00 e a taxa média anual de câmbio do dólar ianque está em R$ 5,12.

Dessa forma, esse valor redundaria num total de US$ 351.47, algo bem longe do proclamado e, mesmo que se inclua os quatro próximos pagamentos de R$ 300,00, o total da transferência ficaria em US$ 585.78, aproximadamente.

Ocorre que o Sr. Bolsonaro pode não estar errado!

A PARIDADE DO PODER DE COMPRA – PPC

Ao que os dados sugerem, ele se utilizou de uma taxa de câmbio bastante comum entre os analistas em economia internacional: a Paridade do Poder de Compra (PPC) ou, em inglês, Purchasing Power Parity (PPP).

De acordo com a página eletrônica especializada em finanças Mais Retorno, a PPP coteja o poder de compra de uma moeda em relação a outra, sendo, no mais das vezes, o dólar ianque a moeda de comparação.

Em seu manual de Economia Internacional, o professor Robert Carbaugh declara que a PPP faz uma equalização entre os níveis de inflação de preços das nações, permitindo uma comparação mais precisa entre suas moedas.

O interessante é que uma das características do câmbio pela PPP é que, no Brasil, o seu valor, nas últimas décadas, está abaixo da taxa de câmbio de mercado, fazendo com que o real se aprecie em relação ao dólar estadunidense.

Um exemplo, segundo o Banco Mundial, pela taxa de câmbio corrente, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, em 2019, foi de US$ 1.84 trilhão.  No entanto, quando medido pela PPC, esse mesmo agregado econômico vai para US$ 3.22 trilhões, para o mesmo período.

Sacou? Pegou a real? Se ligou?

Uma simples mudança no fator de ponderação cambial fez com que o produto interno bruto brasileiro, no ano de 2019, experimentasse um expressivo aumento de 75% em seu valor de apresentação.

Com isso, o Sr. Bolsonaro dá para as suas hostes um poderoso instrumento argumentativo para se disseminar nas redes sociais e o colocar como o mais destemido dos líderes brasileiros.

O QUE O SR. BOLSONARO PODE TER FEITO?

É plausível que os elaboradores do discurso proferido na ONU se utilizaram dessa ferramenta para legitimar a sua posição. E como isso foi feito? Como ele chegou à medida de US$ 1,000.00?

Ao que tudo indica ele fez um malabarismo contábil que, apesar de confuso, está metodologicamente correto. Muito provavelmente, a entourage do Sr. Bolsonaro promoveu a seguinte sequência de passos:

  1. Somou as três parcelas do Auxílio Emergencial aprovado pela Câmara dos Deputados (Se dependesse da Presidência da República, o valor seria bem menor), o que resultou num montante de R$ 1.800,00;
  2. Depois, pesquisou qual foi a taxa de câmbio livre do dólar norte-americano, para venda, em dezembro de 2019, que foi de R$ 4,0307, segundo o Banco Central do Brasil;
  3. Em seguida, foi atrás do fator de conversão para a PPC entre o real e o dólar ianque que, segundo o Banco Mundial, estava em US$ 2.253, no ano de 2019 (Cuidado! Aqui é 2 dólares e 253 milésimos e, não, 2 mil e 253 dólares, como estamos acostumados a ler);
  4. Dividindo o fator da PPP pelo valor do câmbio de venda do dólar, a equipe que elaborou o discurso do mandatário brasileiro chegou a um multiplicador no valor de 0,55895;
  5. Multiplicando-se esse último coeficiente pela soma das três parcelas do Auxílio Emergencial (R$ 1.800,00) chegou-se a um resultado. Qual?
  6. US$ 1,006.13 – Um mil e seis dólares e treze centavos!

 

Muito provavelmente, foi assim que o Sr. Bolsonaro pode, tranquilamente, causar mais um alvoroço em seu mandato, em plena Assembleia Geral da ONU, calcando-se em dados verossímeis para dissimular a realidade.

Ele ganha a parada porque, à primeira vista, parece uma mentira deslavada, mas, depois, quando já se repisou ad nauseam o tema, aparece algum dos seus defensores e mostra o caminho das pedras.

MAS, EM VEZ DE MÉTODO, PODE TER SIDO LOUCURA!

Entretanto, torna-se necessário deixar claro que este é apenas um exercício especulativo e que, talvez, nem de longe isso tenha se processado assim.

Afinal, o Sr. Bolsonaro é tão dado a imprecisões, a laivos e a ilações infundadas – tais como aquela na qual ele acusou as eleições de 2018 de terem sido fraudadas – que sua assessoria possa ter simplesmente “chutado” um número.

Talvez, num discurso tão recheado de imprecisões e meia-verdades, não se deram ao trabalho de promover tão refinada pesquisa, acreditando que a simples e recursiva repetição do dado o transformaria em verdade.

De todo modo, fica a dica para os segmentos civilizados da sociedade brasileira: é bom tomar cuidado, porque parece loucura, mas deve haver algum método!

(*) Emerson Sousa é Mestre em Economia e Doutor em Administração

** Esse texto é de responsabilidade exclusiva do autor.  Não reflete, necessariamente, a opinião do Só Sergipe.

Leia Também

15 de outubro: o professor nosso de cada dia e o descaso dos gestores 

Em 15 de outubro de 1827, o imperador Pedro I baixou um Decreto Imperial criando …