terça-feira, 19/01/2021
A manifestação começou por volta das 16 horas Foto: Rose Garcia

Mulheres lotam o viaduto do DIA e dizem não a Bolsonaro

O viaduto do Distrito Industrial de Aracaju (DIA) foi o local escolhido por diversos movimentos sociais para o protesto, hoje à tarde, contra o candidato a presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL).  Música e apresentações culturais intercalaram os discursos, e uma palavra marcou todo o evento: “ele não, ele não”. A estimativa dos organizadores é que cerca de 2 mil pessoas participaram da manifestação. A Polícia Militar não fez estimativa.

As manifestações contra o machismo, homofobia e contra Bolsonaro estão ocorrendo em todo país e no exterior.

Os partidos de esquerda estiveram na manifestação. Foto: Charles Hardman

Para animar os manifestantes, um grupo de mulheres estava na percussão. Não faltaram músicas de Chico Buarque, a exemplo de Geni. “Estamos aqui a favor da vida, da liberdade e da democracia”, disse universitária Caroline de Jesus Oliveira, 19 anos, que carregava um cartaz com os dizeres. “ele não”. Havia ainda um cartaz com um alerta: “mulheres, se libertem do seu Bolsonaro”.

Um dos momentos que emocionou o público foi quando uma pessoa, do palco, gritou Lula livre e também “Marielle presente”. A vereadora pelo Rio de Janeiro, Marielle Franco (PSOL), foi assassinada em 14 de março deste ano, junto com seu motorista Anderson Pedro Gomes, e os crimes até agora não foram esclarecidos. Já o ex-presidente Lula, está preso em Curitiba desde o dia 7 de abril passado.

Mudanças – Para que não ocorresse nenhum problema, a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) fez mudanças no trânsito, na confluência de duas das principais avenidas da capital – Trancredo Neves e Adélia Franco – desviando o tráfego de veículos. Já a Polícia Militar, que atuou com 45 policiais na área, sugeriu que o ato fosse realizado em outro local, mas os organizadores preferiram embaixo do viaduto.

A manifestação contra Jair Bolsonaro atraiu, também, candidatos de esquerda, a exemplo da professora Ângela Melo, que tenta uma vaga de deputada federal.  “Esse é um ato das mulheres a favor do amor, da liberdade, da democracia, contra o ódio e o retrocesso. Pela volta da democracia no país. As mulheres puxando e comandando o destino do nosso país”, disse.

A deputada estadual Ana Lúcia, no seu último mandato, afirmou que o ato contra Bolsonaro é um grande momento das mulheres. “Essa é uma luta pela democracia e autonomia do povo brasileiro”, completou. A candidata a vice-governadora na chapa do atual governador Belivaldo Chagas, Eliane Aquino, também esteve no movimento das mulheres contra Bolsonaro.

Leia Também

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial de vacinas contra covid

Por unanimidade, os cinco diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovaram o uso …