quinta-feira, 21/11/2019
Início » Editorias » Cultura » Concerto “Cantos de Liberdade” traz música brasileira e russa
Powered by Rock Convert
A apresentação da Orquestra Sinfônica será imperdível Foto: Pritty Reis

Concerto “Cantos de Liberdade” traz música brasileira e russa

Compartilhe:

Quem nunca ouviu música russa, terá uma oportunidade e tanto na próxima quinta, 15, feriado da Proclamação da República. É que a Orquestra Sinfônica de Sergipe (Orsse) vai realizar mais um importante concerto de sua temporada 2018, a partir das 20h30, no Teatro Atheneu, onde os ingressos estão disponíveis: R$10 (meia-entrada) e R$20.

Sob a regência do maestro convidado Edilson Ventureli, o grupo realizará o espetáculo “Cantos de Liberdade”, interpretando a tradicional “Suíte Vila Rica”, do compositor paulista Mozart Camargo Guarnieri (1907-1963), e a grandiosa Sinfonia nº 1, op. 8, em Mi bemol maior, do russo Reinhold Glière (1875-1956).

Em um primeiro momento, os músicos do grupo abordarão a “Suíte Vila Rica” composta por Guarnieri em sintonia com as mais tocantes manifestações populares brasileiras. A obra desse período do compositor constituiu-se em uma expressão emblemática de aspectos peculiares do “nacional-modernismo” através de configurações rítmicas e melódicas diretamente inspiradas nas modinhas, toadas, cantigas infantis, rodas das violas caipiras e danças de origem africana.

Em ambiente sonoro singular, os temas apresentados na Suíte ilustram o contexto dramático do filme “Rebelião em Vila Rica”, inspirado nos ideais da Inconfidência Mineira, transpostos para os anos de 1940 em Ouro Preto, onde estudantes universitários se rebelam em tempos opressivos de ditadura reivindicando a demissão de um tirânico reitor. “Um concerto de identidades”: assim pode ser definido este repertório.

Já em um segundo momento, o concerto aborda belíssimas expressões do nacionalismo russo, com enorme ligação ao romantismo europeu. Segundo o maestro Guilherme Mannis, diretor artístico da Orsse, “a Sinfonia nº1 de Glière é um dos grandes pilares da música ocidental, e se caracteriza tanto por momentos suntuosos, de arrebatamento musical, quanto por pequenas melodias, que lembram os cantos de uma aldeia.”

O convidado –  Edilson Ventureli é regente titular da Orquestra Juvenil Heliópolis e regente adjunto da Orquestra Sinfônica Heliópolis. Iniciou os estudos musicais aos cinco anos de idade no curso de piano. Aos treze, ingressou no Coral Baccarelli e, sete anos mais tarde, tornou-se preparador e regente associado da Orquestra de Concertos de São Paulo e do Coral Baccarelli, posição que ocupou até 2003.

Com estes, teve a oportunidade de se apresentar nas principais salas de concertos do Brasil, tendo excursionado pela Espanha por ocasião das comemorações do centenário de nascimento de Villa Lobos. Aperfeiçoou-se em regência orquestral com Ira Levin (2004-05), Roberto Tibiriçá (2005-10) e, desde 2010, é orientado por Isaac Karabtchevsky, diretor artístico e regente titular da Orquestra Sinfônica Heliópolis.

Nos últimos anos, participou regularmente do Musica Riva Festival (Itália), onde regeu a World Youth Orchestra, a SYOA – State Youth Orchestra of Armenia (Orquestra Juvenil Estatal da Armênia), Orquestra Reino de Aragón (Espanha) e LVIV Philarmonic Orchestra (Ucrânia). Em 2015, foi homenageado pela Câmara Municipal de São Paulo em reconhecimento pelo trabalho desenvolvido no Instituto Baccarelli e, em 2016, condecorado pela ordem Carlos Gomes por sua atuação como maestro.

Compartilhe:

Leia Também

A elite racista precisa reconhecer que é ignorante, cínica, apática, escravista e exterminadora”, diz o professor Ilzver Oliveira.

Por Amália Roeder (*) O Dia da Consciência Negra, que tem como marco o 20 …

WhatsApp chat