quinta-feira, 18/07/2019
Início » Editorias » Negócios » Seca na Argentina pode prejudicar indústria brasileira
Rádio FecomercioPowered by Rock Convert
Magnification of wheat ear.

Seca na Argentina pode prejudicar indústria brasileira

Publicado em 20 de abril de 2018, 20:03


A balança comercial sergipana apresentou um déficit de US$ 6,37 milhões no mês de março. Diversos fatores como a desvalorização do real perante o dólar e a crise econômica são os principais entraves para números mais interessantes, apesar das exportações terem aumentado aproximadamente 24% no primeiro trimestre de 2018.  Mas o segundo produto mais importado, o trigo e a mistura dele com centeio, pode ter problemas nos próximos meses. Isso graças a uma das maiores secas da história da Argentina, país de origem de grande parte desta matéria-prima.

No primeiro trimestre de 2018, Sergipe importou 28,5 toneladas de trigo e misturas de trigo com centeio totalizando US$ 5,2 milhões e sendo responsável por 11,74% das importações do estado. Se comparado ao mesmo período do ano passado, ocorreu um aumento de 6,52%. Esses dados foram retirados do site do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Apesar do plantio do trigo em terras argentinas ser iniciado no mês de maio, a tendência é que haja perdas devido à seca. No início de abril, algumas províncias festejaram a chegada das chuvas, mas a situação ainda preocupa. De acordo com o governo argentino, o prejuízo da colheita dos grãos em geral, em 2018, pode chegar aos 50% em certas regiões.  O Brasil ainda enfrenta dificuldades devido à crise na produção do trigo no ano passado, causado pela seca e geadas no Paraná, grande produtor nacional deste cereal.

A alta recente na importação do trigo e seus derivados em Sergipe se dá pelo período da entressafra aqui no Brasil, mas pode ser reflexo do período difícil que pode estar se avizinhando.  É possível substituir a importação dos grãos argentinos por grãos dos Estados Unidos, porém isso acarretaria em aumento do custo e, consequentemente, do valor dos produtos finais consumidos pelos brasileiros, ou seja, o aumento dos custos da importação seria repassado ao consumidor final, provocando um aumento nos preços dos produtos essenciais, como pães, bolos, dentre outros. E a volta de um processo inflacionário.

De acordo com a Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo) o Brasil tem condições de reverter esse comportamento atual e aumentar a sua inserção no mercado internacional.  Para a entidade, o país pouco avançou nos quesitos de competitividade e produtividade, em relação aos demais países. Nesse momento, seria uma boa saída ter uma produção interna mais estável e que pudesse suprir as demandas do setor industrial brasileiro.

Leia Também

Faturamento da Festa Amigos do Leite, em Poço Redondo, pode chegar a R$ 1 milhão

A expectativa dos organizadores da 10ª edição da Grande Festa Amigos do Leite de Santa …