quinta-feira, 21/09/2017
Início » Colunistas » Aline Laranjeira » Oscar 2017: entre gafes, piadas e surpresas
oscar

Oscar 2017: entre gafes, piadas e surpresas

Share Button

Aline Laranjeira

Entre gafes, surpresas e piadas sem graça do apresentador Jimmy Kimmel, mais uma edição do Oscar foi transmitida em diversos países. Dez filmes concorreram à categoria principal de Melhor Filme, e o momento ápice da premiação foi também marcado por uma reviravolta engraçada, porém extremamente constrangedora. Os espectadores vibraram pela falsa vitória da película La La Land, no entanto o agraciado da noite era mesmo Moonlight.

Ao observar as obras cinematográficas que concorriam aos prêmios daquela noite, percebe-se o quanto 2016 foi um ano repleto de filmes excelentes. Uma safra que há certo tempo não se via dentre os indicados ao Oscar. Os resultados mostraram-se diversos e bem distribuídos. A impressão deixada ao final da cerimônia foi de que todos os filmes tiveram o seu devido espaço na premiação. Para quem acreditava numa iminente enxurrada de prêmios pelo longa-metragem La La Land, pode ter se decepcionado ao perceber que dentre as categorias técnicas, de oito indicações, levou metade. Isso porque, embora o Globo de Ouro (premiação que antecede o Oscar) não seja um grande parâmetro para a cerimônia em questão, muitos acreditavam que a lavagem de prêmios ocorrida no Globo de Ouro se sucederia novamente no último evento do domingo 26.

Entre os nomeados a melhor filme estrangeiro, claramente, os brasileiros puderam sentir falta do aclamado “Aquarius”, dirigido pelo cineasta pernambucano Kleber Mendonça Filho. Seu filme não chegou, inclusive, à pré-seleção, em virtude de burocracias e conflitos internos no Brasil. Entretanto, dentre as películas presentes na lista, o mais imponente e merecedor do prêmio foi o do diretor cinematográfico Asghar Farhadi (O Apartamento), o qual não pôde comparecer à cerimônia devido à Lei Anti-imigrante decretada pelo atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Uma das passagens mais marcantes no discurso proferido no palco por sua representante dizia: “Dividir o mundo entre nós e os inimigos gera medo e justifica agressão e guerra. Essas guerras impedem o desenvolvimento da democracia. Os cineastas podem usar suas câmeras para mostrar qualidades humanas, romper estereótipos e criar empatia. Nós precisamos hoje de empatia mais do que nunca.” O Apartamento representa uma crítica ao padrão moral e ético vigente na sociedade iraniana, e devido à excelência na condução do filme, ele se torna relevante e entra para a lista de obras-primas realizadas pelo Asghar Farhadi.

As categorias de atuação, por fim, não deixaram a desejar. Os prêmios já eram esperados e permitiram a satisfação do público. Viola Davis foi uma das mais aclamadas após receber o prêmio de atriz coadjuvante e realizar um discurso emocionante. Emma Stone, Mahershala Ali e Casey Affleck receberam respectivamente, melhor atriz, melhor ator coadjuvante e melhor ator.

Os prêmios concedidos foram extremamente justos e, apesar dessa edição ter sido enfadonha em diversos momentos, ela entrará para o hall de um dos anos mais concorridos da história dos Oscar, pois a competência e diversidade existente entre os indicados representaram um marco contra o conservadorismo e tradicionalismo preponderantes nas cerimônias anteriores. Em vista disso, 2017 possuirá a tarefa árdua de conseguir superar ou se equiparar à qualidade dos filmes contemplados nessa última edição, a fim de manter o que foi esta fascinante pluralidade.

Share Button
WWebsites

Leia Também

Laboratório de Informártica

Epifânio Dória abre inscrições para curso de informática

Três novas turmas do Curso de Informática estão sendo oferecidas pela Biblioteca Pública Epifânio Dória ...

Deixe uma resposta