sexta-feira, 15/01/2021
É preciso saber onde pisa antes de investir Foto: Pixabay

Tudo que você precisa saber sobre a variável margem

David de Andrade Rocha (*)

Na semana passada falamos como podemos observar o ROI (retorno sobre investimento – na sigla em inglês) para saber se uma empresa tem possibilidades de nos gerar lucros, enquanto investimos em seus ativos. Mas não é somente o ROI que devemos observar quando paramos para investir. Existe uma outra variável chamada Margem que também é muito importante, e é sobre ela que falaremos nessa newsletter.

A margem é a capacidade que a empresa tem de girar seu estoque, muitas empresas lucram dessa forma, isso quer dizer que seus ganhos dependem do alto giro de estoque que possuam, isso é muito comum em grandes redes de varejo e concessionárias de carros, por exemplo.

Muitas vezes podemos observar uma empresa com baixo ROI, mas ainda assim viável para investimento de longo prazo, por ter uma margem absurdamente alta. Porém, devemos tomar cuidado ao fazer a avaliação, pois nesse caso seria necessário observar o lucro final, para saber se a empresa gera realmente valor.

Analogia: maratona e finanças Foto: Agência Brasil

Para entender inicialmente como funciona a Margem de uma empresa vamos imaginar a seguinte cena: Em uma maratona os corredores saem ao som do tiro e correm cada um seguindo sua estratégia para cruzar a linha de chegada, que estará a quilômetros de distância. Os corredores mais preparados e com melhor fôlego tendem a cruzar a linha com mais facilidade; agora imaginemos que essa maratona acontece em uma estrada muito acidentada e cheia de obstáculos.  Alguns desses obstáculos são naturais e outros são jogados nos corredores quando eles passam. Logo, somente os mais preparados desses corredores tendem a chegar à linha e cruzá-la.

Essa analogia ilustra bem o funcionamento da Margem, se pensarmos que os corredores são as empresas e a maratona é o ano útil que a empresa tem para gerar lucros (cruzar a linha) para seus acionistas, os obstáculos são os impostos pagos, custos de manutenção e com funcionários, entre outros; já as coisas jogadas nas pessoas são as medidas do governo que podem afetar a empresa, multas por algum erro, entre outros. A empresa que cruza a linha é aquela que no final consegue gerar lucro, mesmo após todas essas coisas no caminho.

A Margem funciona como um fôlego que a empresa tem para superar momentos de dificuldade e continuar seu caminho, ou seja, quanto mais margem, mais sobras tem a empresa para passar por momentos de dificuldade.

Para podermos observar isso, vamos utilizar novamente a tabela da empresa usada na semana passada, para agora termos noção como a margem influencia o lucro, que por sua vez influencia o ROI, lembrando que ela é uma empresa muito conservadora.

Ano Patrimônio Receita Líquida Lucro Margem ROI Caixa CX Liq Dívida Dív/PL Dív/LL
2020 45.926 41.536 13.104 31,55% 28,53% 7.676 5.011 2.665 0,06

Valores em Bilhões

Essa empresa teve uma grande margem até o primeiro semestre de 2020, obtendo 31,55% de margem.  Isso quer dizer que para cada R$ 100,00 que a empresa investiu em seu nicho de mercado ela obteve um lucro bruto (antes de descontar os impostos) de R$ 31,53.

Em suma, podemos ver que até o segundo semestre de 2020 essa empresa teve um Lucro Líquido de R$ 13.104.000.000,00 (treze bilhões e cento e quatro milhões de reais).

Ainda é possível notar que essa empresa tem uma saúde financeira muito boa, já que o que ela tem em caixa, R$ 7.676.000.000,00 (sete bilhões e seiscentos e setenta e seis milhões), paga toda a dívida que a empresa tem e ainda sobra mais de cinco bilhões em caixa líquido.  Mas falaremos mais aprofundadamente disso em uma outra hora.

Podemos definir uma nota de corte de margem para se investir em uma empresa, os analistas recomendam que essa nota de corte seja maior que 20%, ou seja, só investir em empresas que tenham uma margem superior a 20%. Já no projeto Liberdade Financeira preferimos instruir essa nota de corte em 25%. Por que isso?

Depois de muito observarmos vimos que empresas que têm uma margem em 20% podem até largar muito bem naquela corrida, mas os impostos e outras coisas a retardam bastante e ainda assim uma empresa dessas corre o risco de, se for atingida por alguma medida do governo e/ou até judicial, ela chegar na linha final já nos últimos lugares apresentando um lucro muito pequeno, que iria se traduzir em um ROI muito ruim.

Como estamos tratando de renda variável, devemos pensar nessas hipóteses, por isso esse aumento na nota de corte, que pode até parecer pouco, acaba por fazer muita diferença, já que exclui muitas empresas duvidosas quando se trata de investimentos de longo prazo.

Esse conceito de margem pode ser usado em todos os tipos de renda variável. Utilizei o exemplo de empresa para ficar mais fácil, mas se você tiver um imóvel alugado, proponho fazer esse cálculo para saber a margem de seu investimento:

Pegue o preço que você pagou no imóvel (incluindo impostos), anote em uma aba como investimento. Depois observe a valorização do imóvel pelo índice FIP ZAP, anote em outra aba como valor atual. Crie uma aba chamada aluguel e coloque o valor recebido anualmente (descontado condomínio – se aplicável e o valor do imposto do carnê leão). Depois crie mais três abas e as nomeie de Lucro, Rentabilidade (que é a margem do imóvel) e MRB (multiplicador de renda bruta- que é o ROI do imóvel), veja o exemplo:

Um investidor de imóveis compra em Aracaju um apartamento recém lançado por R$ 120.000,00 (cento e vinte mil reais) em 2018 e aluga-o por uma corretora por R$ 720,00 (setecentos e vinte reais) líquidos, ou seja, já descontados todos os impostos, comissões e condomínio. Dois anos depois, já em 2020, ele vai observar a valorização do imóvel e faz a seguinte tabela:

Investimento: R$ 120.000,00

Valor atual (pela FIP ZAP +20,34%): R$ 144.408,00

Aluguel (720×12): R$ 8.640,00 (em dois anos 17.280,00)¹

Lucro: para achar o lucro subtraia o valor atual pelo investimento e some o total recebido pelo aluguel. Logo, nesse exemplo:

Lucro = (Valor atual – investimento)+Aluguel

Lucro = (144.408,00 – 120.000,00)+17.280,00

Lucro = R$ 41.688,00

Rentabilidade: para achar a rentabilidade divida o Lucro pelo investimento e multiplique o resultado por 100%, por exemplo:

Rentabilidade = (lucro/investimento)X100%

Rentabilidade = (41.688,00/120.000,00)X100%

Rentabilidade 34,74%

MRB²: para achar o MRB divida o aluguel anual pelo investimento e multiplique por 100%, por exemplo:

MRB = (Aluguel/investimento)X100%

MRB = (8.640,00/120.000,00)X100%

MRB = 7,2% a.a

Com esse exercício, você pode saber quanto o seu imóvel se valorizou e quanto tempo ele irá demorar para que você receba pelos aluguéis o investimento total.  Logo, é interessante até para entender mais sobre seu patrimônio. No futuro voltaremos a falar de imóveis, mas por hora esse exemplo mostra como saber a margem do investimento funciona para todos os tipos de renda variável.

Notas:

¹ = Os aluguéis no exemplo não foram ajustados nos dois anos, como aconteceria normalmente.

² = MRB (Multiplicador de renda bruta) é utilizado por investidores de imóveis para saber se vale ou não a pena investir naquele imóvel, pois ele indica quanto tempo o imóvel levará para devolver na forma de aluguel o valor investido. No futuro falaremos mais sobre isso.

(*) David Rocha escreve semanalmente, às terças-feiras. Ele é assessor de investimentos e educador financeiro, que vive o mercado diariamente, desde 2011, e autor do livro Tesouro Direto – Um Caminho para a liberdade financeira de 2016.

** Esse texto é de responsabilidade exclusiva do autor.  Não reflete, necessariamente, a opinião do Só Sergipe.

Leia Também

O Boom das Commodities não explica o crescimento da economia brasileira (II)

Na segunda edição do ano da Economia Herética foi abordado o fato de que aquilo …