segunda-feira, 22/02/2021
Riachão do Dantas é produtor de abacaxi Fotos: Seagri

Governo e Maratá se unem para otimizar escoamento da produção de abacaxi em Riachão do Dantas

Uma das maiores dificuldades dos pequenos produtores rurais no escoamento da produção são os custos e as condições de transporte de alimentos para comercialização em outras localidades. Os produtores de abacaxi de Riachão do Dantas enfrentam essa dificuldade e acabam perdendo boa parte da renda que poderiam receber com a interferência de atravessadores. Pensando numa solução para esse impasse, a Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri) vem dialogando com a Maratá e, juntamente com a prefeitura de Riachão, reuniu agricultores no Povoado Alto do Cheiro, maior produtor de abacaxi do município, para dar-lhes uma notícia animadora: a Maratá irá instalar um ponto de entrega de frutos no local.

Produtores rurais na reunião, em Riachão do Dantas

Em meados de dezembro, o secretário de Estado da Agricultura, André Bomfim, recebeu o secretário da Agricultura da Bahia, Lucas Teixeira, em missão de intercâmbio e fortalecimento da nova e promissora fronteira agrícola Sergipe e Bahia e das cadeias produtivas comuns entre os dois estados – dentre as quais, encontra-se a cadeia do citros. Em visita à Maratá, em Estância, e à Maratá Sucos, em Lagarto, eles foram recebidos pelo empresário José Augusto, e pelo coordenador de compras Jorge Alves, iniciando um diálogo que originou essa aproximação entre a iniciativa privada e os produtores, intermediada pelo poder público. Na ocasião, os gestores estaduais foram informados da existência de uma capacidade ociosa de beneficiamento de frutas cítricas na indústria, que consegue operar na moagem de até 200 mil toneladas/ano, mas atua, hoje, em 50% desta capacidade, por falta de frutas suficientes.

Após ouvir as sugestões dos gestores e avaliar possibilidades de equalização dos problemas dos produtores e da própria indústria, o diretor de Compras da Maratá, Jorge Alves, deu a boa nova aos agricultores, em Riachão. “O nosso interesse é eliminar a figura do atravessador, porque machuca muito o produtor na questão do preço. Nós já colocamos unidades de coleta em Boquim, para que o pequeno produtor entregue a sua laranja, e nós vamos fazer o mesmo com o abacaxi de Riachão do Dantas. Vamos alugar um espaço, no período da safra, para que vocês, ao invés de levar a fruta para Estância, possam vender o fruto no seu próprio local. Ou seja, a gente vai montar uma estrutura para comprar a fruta aqui e transportar até Estância”, disse Jorge aos agricultores, no povoado Alto do Cheiro.

A reação dos produtores foi a mesma de seu Raimundo Oliveira. Aos 57 anos, ele sempre plantou abacaxi e se mostrou animado com a perspectiva. “Se eles realmente vierem comprar aqui vai ser muito importante, porque a gente não vai precisar pagar frete. A gente fica com todo o lucro, não perde nada. Eles estão dando essa sugestão pra gente não perder pro atravessador. Para mim, foi o principal dessa reunião. Vai ser um incentivo muito grande pra gente. Espero mesmo que a gente consiga. Aí a gente só vai produzir e vender bem”, disse seu Raimundo, que também destacou a importância de terem um acompanhamento para melhorar o plantio. Sobre isso, o secretário de Estado da Agricultura, André Bomfim, afirmou que já está prevista para março, uma nova agenda conjunta entre Sergipe e Bahia, para intercâmbio de boas práticas e capacitação dos produtores da região citrícola.

“Já havíamos prospectado mais essa etapa nesse intercâmbio e já fizemos contato com a Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB) para a capacitação de produtores, a fim de otimizar o plantio e possibilitar aos produtores maior rentabilidade”, garantiu André. Na sua avaliação, a agenda em Riachão foi positiva, ao passo que promete solucionar gargalos dos dois atores da cadeia. “De um lado, vai reduzir o custo de produção do agricultor; do outro, vai preservar a qualidade do fruto que chega para beneficiamento pela Maratá, porque no transporte feito pelo produtor, muitas vezes o fruto chega machucado e perde qualidade para a indústria. Então vai ser bom para todo mundo, inclusive para o Governo de Sergipe, que deseja ver a agricultura do nosso estado cada vez mais fortalecida”, avaliou o secretário.

Segundo dados da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), em 2019, Sergipe registrou uma produção de 31.574 toneladas de abacaxi. Riachão do Dantas é o município maior produtor do fruto no estado. A prefeita Simone Andrade esteve presente no encontro com os agricultores, e reafirmou o interesse da gestão em fortalecer a cadeia do abacaxi, através da secretaria municipal de Agricultura, agora conduzida pelo secretário Gilton Freire, em parceria com o governo Estadual e a iniciativa privada. “A gente vem traçando metas em busca de medidas que fortaleçam a produção e comercialização do abacaxi, para desta forma, proporcionar melhor desenvolvimento econômico para nossos agricultores”.

Leia Também

“A melhor forma de lidar com a Covid-19 é com imunização”, garante Marco Aurélio Góes, diretor de Vigilância em Saúde da SES

O infectologista Marco Aurélio Góes, diretor de Vigilância em Saúde (DVS) da Secretaria de Estado …