quinta-feira, 14/01/2021
Belivaldo: medidas restritivas foram renovadas

Governador renova decreto e flexibilização das atividades econômicas foi adiada

Os empresários sergipanos tiveram, hoje, as expectativas frustradas. Eles esperavam que o  governador Belivaldo Chagas anunciasse o início da flexibilização, mas ele prorrogou  o decreto com regras de isolamento social até o dia 15 de junho. Nesta data,  ele poderá dizer se inicia ou não a flexibilização.

Com a renovação do decreto permanecem suspensas as atividades econômicas organizadas para a produção ou a circulação de bens ou de serviços, incluindo o comércio em geral, academias, shopping centers, galerias, boutiques, clubes, boates, casas de espetáculos, salão de beleza, clínicas de estética, somente sendo permitidas as atividades já descritas como essenciais nos decretos anteriores.

No domingo, Chagas disse no Twitter que estava preocupado com a taxa de isolamento social no Estado – a terceira pior do país – e o aumento considerável no número de mortos, 217, segundo Boletim Epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde (SES), divulgado domingo. Para completar,  o governador sempre disse que a flexibilização era uma possibilidade.

“Eu tinha dito que anunciaria hoje o Plano de Retomada Econômica do Estado, mas sempre deixei claro que precisaria de dois fatores principais para isso: primeiro, o número de leitos, que estamos conseguindo entregar, mas não está sendo o suficiente porque as pessoas estão se expondo mais e os números que esperávamos lidar estão sendo maiores do que os previstos, a conta não fecha”, frisou.

“Segundo, os dados técnicos e científicos da propagação da doença em Sergipe cresceu mais do que o esperado. O governo não pode fazer a sua parte com relação à retomada econômica se as pessoas não se conscientizarem que precisam manter o isolamento social. Eu sempre disse, também, que a nossa prioridade é a vida e vou continuar defendendo isso. Não haverá flexibilização das medidas enquanto o risco para as pessoas for tão alto. Não quero ver mais famílias chorando a perda de seus entes queridos”, completou o governador.

Leitos de UTI poderão entrar em colapso
Foto: Ascom SES

Hoje cedo, cientistas da Universidade Federal de Sergipe (UFS) publicaram um estudo dizendo que os leitos das Unidades de Tratamento Intensivo (UTI)  precisam ser ampliados par se evitar o colapso no sistema de  saúde a partir do dia 14 de junho.

Números

No período de 31 de maio a 06 de junho, foi computada uma média de 310 novos casos por dia. Já nos dias 05 e 06 de junho ocorreram novos casos em número acima da média apontada, demonstrando um crescimento vertiginoso do número de casos.

“Mais uma vez eu peço, quem puder fique em casa. Em 13 dias, Sergipe mais que dobrou o número de óbitos pela covid-19, é algo muito perigoso e triste, mas as pessoas não estão levando as recomendações dos órgãos competentes e dos cientistas à sério. Somente do dia 31 de maio ao último sábado (06), foi aferida uma média de cerca de 8 óbitos por dia. Tenho responsabilidade com as vidas das pessoas e precisamos fazer o possível para diminuir esses números”, argumentou o governador.

Em dois meses, o Estado tem quase cinco vezes mais leitos de UTI SUS exclusivos para coronavírus. A rede hospitalar pública de Sergipe, no início do mês de abril contava com 27 leitos de UTIs adultos e pediátricos. Em dois meses, Sergipe aumentou de 27 para 126 leitos de UTI apenas na rede pública para pacientes graves diagnosticados com o novo coronavírus. Somados a rede privada, já são 206 UTIs.

O decreto destaca que, no período de 31 de maio a 06 de junho, houve a disponibilização de mais 21 leitos de UTI’s exclusivos para covid-19 da rede SUS e, mesmo assim, a taxa de ocupação passou de 63% para 69%, o que demonstra um aumento na demanda por internamento de alta complexidade. Já no sábado (06) a taxa de ocupação de leitos privados de UTI’s exclusivos para covid-19 foi de 94% e a de leitos totais de UTI’s foi de 81%, evidenciando uma forte pressão da pandemia sobre o sistema de saúde.

Leia Também

Com queda de 43,8% no número de passageiros, Setransp perdeu mais de R$ 97,8 milhões

Nos primeiros 10 dias de janeiro deste ano houve uma queda de 43,8% no número …