sexta-feira, 26/01/2024
Padre Marcos William e dom Genivaldo Garcia
Padre Marcos William com dom Genivaldo Garcia

A Diocese de Estância em festa: duas jovens vocações, dois novos presbíteros

Compartilhe:

Prof. Dr. Claudefranklin Monteiro Santos (*)

 

O Espírito Santo, na terceira semana de janeiro de 2024, soprou novos ares para a Igreja Católica em Sergipe. Os municípios de Riachão do Dantas e de Lagarto realizaram, na segunda e na quinta-feira, respectivamente, duas solenidades que já deixaram marcas significativas em suas histórias, marcas que não somente fortalecem a ideia de identidade e pertença, mas também de renovação da fé, de memória paroquial e de esperança no potencial que a juventude, de tempos em tempos, enseja.

Padre Emílio Júnior com os pais

Fundada no dia 30 de abril de 1960, a Diocese de Estância vive um novo momento com a chegada de dom José Genivaldo Garcia (Cumbe, 1968). Com sua posse, no dia 25 de fevereiro de 2023, chama a atenção por sua leveza e ao mesmo tempo pela firmeza e positividade no trato com as inúmeras demandas do clero e da comunidade. Dotado de reconhecido carisma, de ser um exímio comunicador e de possuir uma singular capacidade de diálogo, mesmo nos momentos mais difíceis que já precisou enfrentar em menos de um ano na nova missão, dom Genivaldo vivenciou esta semana a experiência de ordenar seus dois primeiros sacerdotes na condição de bispo, pastor e pai espiritual.

Tenho acompanhado, nos últimos anos, a formação deles, ora à distância, ora como leigo, além de estudioso da História da Igreja Católica em Sergipe. E, nesse sentido, posso assegurar que estamos diante de promissores sacerdotes, sobretudo no que diz respeito ao amor devotado que demonstram ao sacerdócio e ao Cristo. Os agora padres Marcos William e Emílio Júnior são uma preciosa resposta de Deus às orações pelas vocações sacerdotais e religiosas, obra da sensibilidade e inspiração do saudoso dom Luciano José Cabral Duarte (1925-2018).

A seguir, um breve relato das trajetórias de Marcos William e Emílio Júnior e um release de suas ordenações sacerdotais.

MARCOS WILLIAN SANTOS ALVES nasceu no dia 1º de abril de 1996, na cidade de Boquim-SE, filho de Tânia Lúcia dos Santos e Willian D’arc Alves. Durante toda a sua vida até o ingresso no seminário, residiu no povoado Volta, em Riachão do Dantas. Nesta mesma comunidade foi batizado no dia 14 de junho de 1998, na festa de seu padroeiro Santo Antônio. Aos sete anos, ingressou na catequese e começou a fazer parte da Legião de Maria Juvenil, recebendo a primeira comunhão no dia 13 de junho de 2007.

Um ano após, começou a ajudar na catequese até seu ingresso no seminário. Com 13 anos de idade, ingressou no curso do Crisma e neste período reabilitou o Terço dos Homens da comunidade e passou a fazer parte da equipe de liturgia. No dia 11 de fevereiro de 2011 foi crismado na matriz de Nossa Senhora do Amparo. Após esse período, passou a ser catequista de crisma e também a fazer parte do Apostolado da Oração. Estudou na Escola Municipal Santo Antônio de Pádua e fez o Ensino Médio no Colégio Estadual José Lopes de Almeida, ambas as instituições em Riachão do Dantas.

No dia 25 de janeiro de 2015 foi enviado pelo padre Álvaro para ingressar no dia 09 de fevereiro no Seminário Propedêutico Nossa Senhora de Guadalupe na cidade de Estância. Neste mesmo ano, foi designado para a pastoral na paróquia da Natividade do Senhor no Porto do Mato, em Estância. No dia 01 de fevereiro de 2016, ingressou no seminário maior Nossa Senhora da Conceição, em Aracaju, onde fez Filosofia e Teologia até o ano de 2022. Entre 2017 e 2018, fez pastoral na Paróquia Senhor do Bonfim, na cidade de Salgado. Entre 2019 e 2020, fez pastoral na Paróquia de Santa Teresinha do Menino Jesus, no Bairro Novo Horizonte, em Lagarto. No ano de 2022, fez pastoral na paróquia de Santa Luzia no Alto da Boa Vista, em Lagarto. Desenvolveu o estágio pastoral na Paróquia de Nossa Senhora das Graças, no povoado Jenipapo, em Lagarto. E exerceu o ministério diaconal na paróquia de Santa Terezinha no Bairro Novo Horizonte e na paróquia de Santa Luzia no alto da Boa Vista, em Lagarto.

Sua ordenação sacerdotal ocorreu na última segunda-feira, 15 de janeiro, na Matriz de Nossa Senhora do Amparo, Riachão do Dantas, cujo pároco é o padre Wagner Batista, sob a presidência de dom Genivaldo Garcia. Uma multidão correu para o local, que ficou pequeno para tanto entusiasmo. O então diácono Marcos William foi recebido com muito afeto. Ao final da cerimônia, que esteve concorridíssima para receber abraços e registros fotográficos, o jovem sacerdote não conteve a sua emoção e foi às lágrimas em vários momentos da solenidade, demonstrando a importância pessoal daquele momento para ele e para a sua família, notadamente sua mãe e avó. Dedicou especial atenção e gratidão ao padre Humberto, um dos principais responsáveis por sua formação e orientação espiritual.

Durante a homilia, dom Genivaldo partilhou com os presentes um fato curioso. Quando foi professor do então seminarista Marcos William, em Aracaju, este havia dito que Garcia seria seu bispo e que seria ordenado por ele. De fato, naquela noite a profecia se cumpriu. Afora isso, um momento histórico para a Paróquia de Nossa Senhora do Amparo, pois foi a primeira ordenação realizada na comunidade desde a sua fundação, pelo monsenhor Daltro, há 167 anos. Importante, também, destacar que nesta noite o padre Gileumar Henrique foi apresentado à comunidade riachãoense como seu novo vigário. Padre William irá iniciar sua nova jornada em Lagarto, na Paróquia de Santa Luzia do Alto da Boa Vista, junto ao seu pároco o padre Uelinton.

JOSÉ EMÍLIO DE ARAÚJO JÚNIOR é o segundo filho de três irmãos de Maria Celeste dos Santos Araújo e de José Emílio de Araújo. Nasceu em Lagarto no dia 29 de janeiro de 1994, tendo sido criado entre os povoados Rio das Vacas e Colônia Treze, onde foi batizado pelo saudoso padre Joaquim Antunes de Almeida, em 19 de março do ano seguinte. Recebeu a primeira comunhão pelas mãos do padre Valdenor, no dia 19 de março de 2003 e foi crismado pelo bispo dom Marcos Eugênio no dia 13 de dezembro de 2012.

Cursou o seu Ensino Fundamental (alfabetização) na Escola Governador Augusto do Prado Franco, localizada no Povoado Rio das Vacas. Em seguida, deu continuidade até o 3° ano, no Colégio Educandário Arco íris, localizada no Povoado Colônia Treze. O 4° ano foi realizado na Escola Municipal José Monteiro de Carvalho, localizada no Povoado Rio das Vacas. Por conseguinte, cursou do 5° ano até a conclusão do ensino médio no Colégio Estadual Luiz Alves de Oliveira, localizado no Povoado Colônia Treze-Lagarto/SE.

Realizando os encontros vocacionais, entre os dias 15 de março e 11 de novembro de 2014, foi aprovado para ingressar  no Seminário Propedêutico Nossa Senhora de Guadalupe (em Estância),  no 09 de fevereiro de 2015. Foi enviado para esta mesma instituição, pelo padre Jodeclan Rabelo, na época pároco da Paróquia de Santa Luzia no Povoado Colônia Treze (Lagarto). Ingressou no Seminário Maior Nossa Senhora da Conceição, em Aracaju, no dia 08 de fevereiro de 2016, onde se formou em Filosofia e Teologia, concluindo assim a formação no dia 05 de dezembro de 2022.

No dia 10 de fevereiro  de 2023, iniciou seu estágio pastoral em preparação para a ordenação diaconal na cidade de Tomar do Geru, sendo ordenado diácono na Catedral Diocesana no dia 04 de agosto de 2023. Após sua ordenação, recebeu a provisão de colaborador da paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, em Estância, e da Paróquia de Santa Luzia de Santa Luzia do Itanhy-SE.

Sua ordenação sacerdotal aconteceu na última quinta-feira, no dia 18 de janeiro, na Matriz de Santa Luzia da Paróquia da Colônia Treze, cujo pároco é o padre Moésio, também presidida pelo bispo dom Genivaldo Garcia. Numa solenidade bastante concorrida, o diácono Emílio Júnior mostrou-se, como de fato sempre se apresentou, discreto, mas ao mesmo tempo, sorridente e sereno. É de uma família católica e de professores, a exemplo de sua mãe, como também suas tias maternas Ana e Gizélia Ribeiro, sobrinho da irmã Claudira, das Venerini. Lembro-me bem de sua avó materna, dona Pureza (in memoriam), de quem fui vizinho algum tempo e responsável direta por me salvar de uma crise de papeira, na rua José Antônio da Costa.

Em sua homilia, dom Genivaldo destacou do neo-sacerdote três qualidades importantes: a paixão por Jesus Cristo, o senso de diocesaneidade e a alegria. Elementos importantíssimos para a atuação efetiva e afetiva da Igreja Católica no século XXI. Em sua fala de agradecimento, o padre Emílio Júnior disse que sua tia Maria havia sonhado que um dia ele seria sacerdote, quando ele ainda estava na fase de discernimento. Ele, uma vez ordenado, irá atuar, inicialmente, como vigário da Paróquia de Nossa Senhora de Guadalupe, ao lado do pároco Ilmar.

Em ambas as ordenações, destaco o apelo de dom Genivaldo Garcia quanto à necessidade dos padres não se bastarem em suas paróquias, necessitando viver, com muita humildade, o espírito da sinodalidade, pelo qual o Papa Francisco tem muito apreço. Que estes novos sacerdotes e também os de curta e longa data possam atender a esse chamado, luz para Igreja Católica em tempos muito tensos e difíceis, de vigilância moral e condenação das atitudes, sem a devida compressão, admoestação e perdão cristãos.

Compartilhe:

Sobre Claudefranklin Monteiro

Claudefranklin Monteiro Santos
Professor doutor do Departamento de História da Universidade Federal de Sergipe.

Leia Também

Para onde vão literatura e arte?

Por Luciano Correia (*)   Num dos programas que vejo no YouTube, o escritor Marcelo …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat