quarta-feira, 16/10/2019
Início » Editorias » Cidades » Faxineira despacha remédio e grávida passa mal
Rádio FecomercioPowered by Rock Convert
Unidade de Saúde da Família João Sobral Foto: Luís Matheus Brito

Faxineira despacha remédio e grávida passa mal

Compartilhe:
JOB Connect - Coworking e Escritório VirtualPowered by Rock Convert

A dona de casa Amanda Alves, 19 anos, no terceiro mês de gravidez, vai mover uma ação contra a Secretaria Municipal de Saúde de Aracaju, por ter  recebido e tomado um remédio errado que foi despachado, segundo ela, por uma faxineira da Unidade de Saúde da Família (USF) João Oliveira Sobral, no bairro Santos Dumont.  A médica prescreveu ácido fólico, sulfato ferroso e paracetamol, mas a faxineira entregou Furosemida, que ela tomou  por uma semana e meia, mas quando começou a perder líquido suspendeu o uso. Ela acha que na farmácia deveria ter um profissional qualificado para essa função.

Amanda procurou a Defensoria Pública para providências
Amanda procurou a Defensoria Pública para providências

O caso aconteceu no dia 28 de setembro, mas somente na semana passada é que Amanda conseguiu atendimento na Maternidade Hildete Falcão Batista para fazer uma ultrassonografia e saber a situação do bebê. Na última quinta-feira, ela foi à Defensoria Pública do Estado pedir providências e, no dia 6 de novembro, às 7 horas da manhã, ela terá uma audiência com o defensor público Gustavo Dantas Carvalho, no Fórum Gumersindo Bessa. A intenção é buscar Justiça.

“Eu percebi que tinha algo errado e fui a USF. Lá me encaminharam para a Maternidade  Nossa Senhora de Lourdes para fazer o ultrassom. Disseram para mim que meu bebê estava bem, mas tenho medo que a criança nasça com má formação, pois tomei um remédio errado que me deram”, afirmou Amanda Alves. Ela está assustada com o risco da criança vir a ter alguma sequela.

Amanda denunciou que está sendo perseguida pela direção do posto de saúde. “A diretora não me deixa em paz e agora quer colocar a culpa num auxiliar de enfermagem, a quem eu pedi ajuda. Mas não foi ele quem me deu o remédio errado, mas a faxineira que colocaram lá. Agora, eu quero justiça e alerto as pessoas a não ficarem caladas. Se mais tarde, meu filho nascer com má formação quem vai me ajudar?”, questiona.

A Secretaria de Saúde de Aracaju informou,  por meio da assessoria de imprensa, que só vai se pronunciar a respeito deste caso quando receber a notificação judicial.

De acordo com o Portal Medicinanet, “a Furosemida atravessa a barreira placentária. Portanto, não deve ser administrada durante a gravidez a menos que estritamente indicada e por curtos períodos de tempo. O tratamento durante a gravidez requer monitorização do crescimento fetal.”

Compartilhe:

Leia Também

Sergipe que o bloqueio de mais de R$ 289 milhões da União; manchas de óleo avançam

Powered by Rock Convert O Estado de Sergipe pediu na Justiça o bloqueio de mais …

WhatsApp chat