quarta-feira, 25/08/2021
Lara em diversos desfiles na Europa Fotos: acervo pessoal

“Eu moro na minha mala”, diz a modelo sergipana Lara Menezes

Lara, na Coreia do Sul, onde trabalha atualmente

A modelo sergipana Lara Menezes, 1,79m, 20 anos, é hoje uma cidadã do mundo. Atualmente, ela reside em Seul, capital da Coreia do Sul, mas quando terminar seu contrato dentro de 15 dias, não tem ideia qual será seu próximo destino. A única certeza  é que irá para o continente europeu, mas não sabe se ficará em Londres, Paris ou Alemanha. Por isso, ela disse que não tem uma residência específica. “Estou baseada em minha mala; eu moro na minha mala”. E completa: “Sinto-me realizada em morar dentro de uma mala”.

Mesmo tendo a vida que deseja, Lara sente saudades dos pais, a jornalista Célia Silva e Gilvan Santos, que residem em Aracaju, de ir à praia da Atalaia comer caranguejo e conversar com as amigas. “Mas gosto muito da vida que tenho hoje”, assegura. Uma vida agitada e, digamos, nômade. Até agora foram 31 desfiles, viagens por dezenas de países, se comunicando nos dois idiomas que fala fluentemente: inglês e italiano. Aliás, sobre o italiano, ela diz que gosta mais de se comunicar nesse idioma que considera bonito, lírico.

O italiano está nos seus planos para o futuro, pois pretende fazer faculdade de moda no Instituto Marangoni, um dos mais renomados de Milão. “É o meu sonho. Eu vou fazer faculdade de qualquer jeito (risos)”, avisou.

Os jeitos…

… e poses de Lara

Desde criança, Lara sempre se imaginou numa passarela, mas achava que era um sonho distante, pois não conhecia nenhuma modelo em Aracaju ou no Nordeste, não havia um mercado fashion por aqui. Mas ela foi atrás do sonho e pode ver seu rosto estampado em outdors na França e em Milão, e capa de revistas europeias.

Correr atrás do sonho, ter foco, sempre foram característica de Lara. Quando criança, por exemplo, ao participar de uma prova de natação fez questão de concluí-la, mesmo depois que todos os nadadores já haviam saído da piscina. Tempos depois, iniciando a carreira da moda,  seu olhar era atento e aguçado para entender tudo sobre sua nova profissão. Esses exemplos foram contados pela mãe, Célia Silva, presente em todos os momentos da vida da filha.

Essas características  a levaram a voar alto  no mercado fashion, mas não tiraram dela a simplicidade e meiguice. Ela diz que  não houve deslumbramento da sua parte e continua sendo a mesma pessoa que sempre foi, com “os pés no chão”, com o olhar no futuro e, claro, sonhos. O que seria dos seres humanos se não fossem os seus sonhos?

Ler essa entrevista, saber como tudo começou, como está vivendo nestes tempos tão insólitos e incertos, é um estímulo, um testemunho de que as pessoas não devem desistir nunca dos seus sonhos. Eles estão logo ali, basta dar o primeiro passo, ter foco e seguir em frente.

Boa leitura.

SÓ SERGIPE –  Você sempre teve vontade de ser modelo? Como isso surgiu e fez com que você ganhasse o mundo, tornando-se uma modelo internacional?

LARA MENEZES – Como eu sempre fui super magrinha e super alta, todos me perguntavam porque eu não virava modelo. Desde criança, ser modelo foi sempre uma ideia que tinha em minha cabeça. Mas eu nunca pensei que fosse possível, pois, eu morava em Aracaju, um lugar que não tem um mercado fashion, não conhecia nenhuma modelo sergipana, nenhuma nordestina. Então achava que seria impossível que eu virasse uma modelo. Minha mãe queria que eu estudasse  e tivesse uma vida comum. E eu pensei que não fosse rolar. Desde criança e em toda a minha adolescência eu via  todos os anos, com minhas melhores amigas, o Victoria’s Secret Fashion Show e sempre tinha muita vontade de desfilar.

SÓ SERGIPE – Como o sonho começou a se tornar realidade? Quais foram os primeiros passos?

LARA MENEZES – Um dia, o Projeto Passarela estava em Aracaju e eu insisti muito com minha mãe para ir ver esse projeto. E no primeiro ano que fui, passei na primeira fase, só que minha mãe não deixou eu ir para a segunda fase. Aí, no segundo ano que eles foram para Aracaju novamente, eu fui convidada pelo scouter Zeca Barreto (pessoas que descobrem modelos)  para ir a Curitiba, com tudo pago, participar do New Faces of the World, projeto que existe dentro do Passarela só para modelos fashions. Eu fui  e conheci representantes de agência do mundo inteiro, como China, Espanha, São Paulo e acabei  conhecendo minha agência-mãe que é a Nass Models, que fica na Espanha e aí comecei a ser modelo.

SÓ SERGIPE – E isso foi em que ano? Outra coisa, você falou sobre sua altura. Qual é?

LARA MENEZES – Eu fui convidada para ir a Curitiba em agosto de 2017, só que o evento New Faces of the World aconteceu em 2018. Eu tenho 1,79 e  20 anos de idade.

SÓ SERGIPE – Você começou sua carreira desfilando  aqui no Brasil e depois foi para a Espanha? Como aconteceu?

LARA MENEZES – Eu nunca trabalhei no Brasil, porque minha agência-mãe é da Espanha, e eles sempre me “venderam” para o mercado internacional.  Meu primeiro trabalho na vida foi no Paris Fashion Week, em fevereiro de 2019.

SÓ SERGIPE –  Como foi a preparação e qual foi sua sensação ao saber que iria desfilar no  Paris Fashion Week?

Célia Silva: muitas pesquisas para ajudar a filha

LARA MENEZES – Minha mãe é jornalista, a Célia Silva, e antes de eu ir ela pesquisou bastante como funcionava, quais eram as melhores poses. Ela imprimia algumas poses de modelos, informou-se sobre o que eu poderia fazer ou não. Minha mãe foi fundamental. Ela também pesquisou sobre minha agência-mãe. Ela me ajudou bastante.  Sobre a sensação de desfilar no Paris Fashion Week, eu lembro que fiquei atônita, não acreditava no que estava acontecendo. Era o que sempre quis e estava se realizando. E eu desfilei para o Off Light, uma marca muito grande na Europa  e no Brasil, nesse dia eu conheci muita gente famosa como  Gigi Hadid, Bella Hadid e Karlie Kloss, mulheres que eu via na televisão, que  admirava e eu estava desfilando com elas. Por seu meu primeiro desfile, fazer isso junto com as modelos que via na TV e admirava, que até hoje sou muito fã delas, foi incrível. Me senti bastante realizada.

SÓ SERGIPE – E no seu íntimo como foi naquele momento sair de Aracaju, ir para Curitiba e desfilar em Paris? Houve algum deslumbramento viver na Cidade Luz, estar lado a lado  com as pessoas  que você admira no mundo fashion? Como ficou sua cabeça diante de tantas mudanças?

LARA MENEZES – Sou uma pessoa muito realista, tenho os pés muito no chão.  Muita gente me falava que depois que comecei a ser modelo, que era metida, chata, por eu ter ido para a França, por ter desfilado com algumas modelos famosas e eu não sou esse tipo de pessoa. Eu tenho os pés no chão. Eu estava muito feliz, óbvio, tinha realizado meu sonho naquele momento. Mas, ao mesmo tempo, continuei sendo eu mesma e minha cabeça não mudou. Eu sou a Lara de Aracaju  e fui a Paris desfilar, só isso. Minhas amigas dizem que  quando vou a Aracaju visitar todo mundo, é como se eu nunca tivesse ido embora, pois continuo sendo a mesma pessoa, a mesma Lara antes de virar modelo. Não sou essa pessoa deslumbrada com o mercado da moda. Não sei se respondi bem essa pergunta.

Lara, com demais modelos, numa campanha para Dolce & Gabbana

SÓ SERGIPE –  Como foi o choque cultural, a mudança de vida?

LARA MENEZES – Eu já tinha ido para Paris antes, em 2017, com meus pais e tinha uma ideia de como ali funcionava. Paris não foi um choque. Tive choque cultural grande quando fui para a Alemanha, por causa da cultura e o comportamento dos alemães, que são muito diretos e eu senti isso. Eu falava para minha mãe que na Alemanha era muito diferente.  As pessoas não têm aquele calor  do povo brasileiro. E foi bastante difícil me acostumar na Alemanha, mas hoje está tranquilo, pois já sei como funciona.  Lá chove bastante. Mas em Paris não tive nenhum choque.

SÓ SERGIPE – Em sua carreira de modelo, quantos desfiles e quantos países já visitou ou morou, ainda que temporariamente?

LARA MENEZES – Já visitei muitos lugares, como Estados Unidos, Alemanha, Dinamarca, Inglaterra, França, Itália, Espanha, Canadá, Suécia e agora estou na Coreia do Sul. Já fiz 31 desfiles.

Capa da revista Grazia, em Milão

SÓ SERGIPE – Além dos desfiles, sua foto é estampada em várias revistas de moda pelo mundo. Pode citar algumas?

LARA MENEZES – Quando fiz as fotos para revista, eu nem sabia que seria capa. Eles geralmente não falam. Então fiz as fotos como se fosse um editorial comum. Eu soube que seria capa, porque meu booker me ligou dando a notícia.

SÓ SERGIPE – Seu rosto, também, foi estampado em alguns outdoors?

LARA MENEZES –  Sim. Já me ‘encontraram’ nos aeroportos de Milão para a campanha que eu fiz para a Dolce Gabbana. E em Paris e Milão, também, para a campanha do Max&Co.

SÓ SERGIPE –  Ao sair do Brasil, as pessoas encontram a barreira do idioma. Mas você já falava inglês fluentemente? Que outro idioma você fala?

LARA MENEZES – Meus pais me colocaram para estudar inglês desde criança, dos 10 aos 17 anos de idade, e falo fluentemente. Falo italiano, que amo. Prefiro falar mais o italiano do que em inglês, porque considero uma língua muito bonita, lírica. Aqui na Coreia do Sul falo somente inglês, apesar de morar com dois brasileiros.

 

SÓ SERGIPE – Há quanto tempo você está na Coreia do Sul?

LARA MENEZES – Aqui na Coreia tive um choque cultural também. É tudo super diferente. Não tem a calmaria que temos em Aracaju. Aqui é tudo muito rápido e para me acostumar foi difícil. Tudo tem que ser no tempo deles. Se eles mandam uma mensagem, você tem que responder logo em seguida. Eu posso comparar  Seul com  São Paulo, mas muito mais rápido. As pessoas andam rápido na rua. O jeito brasileiro não existe aqui.  Não se fala em inglês aqui. Quando vou ao trabalho tenho um tradutor. Nas lojas coloco o Google Tradutor para me ajudar do inglês para o coreano. E como tenho cabelo cacheado e pele mais escura, eles ficam me olhando na rua. Mas amo esse lugar. No mês que vem estou indo embora.

SÓ SERGIPE – É sua primeira vez num país asiático? 

LARA MENEZES – Eu não tinha tentado o mercado asiático. Surgiu uma oportunidade  e minha agência estava interessada em me trazer para cá. Nunca pensei em conhecer, e minha agência me queria aqui, então vim.

SÓ SERGIPE – Como foi se acostumar aos novos sabores, daí da Coreia?

LARA MENEZES – Foi muito difícil para mim aqui na Coreia, porque não comia nada com pimenta. No tempero daqui tudo tem pimenta. Na quarentena, as primeiras comidas que vieram para mim foram apimentadas. Minha mãe preparou algumas comidas e eu trouxe na mala. Depois os coreanos me deram uma comida que considero mais normal.  Estou aqui há três meses e meio, já estou comendo algo apimentado. Eles gostam de agridoce e eu odeio essa mistura. Tenho um paladar meio infantil e no início emagreci bastante. Agora acostumei e existem uns lugares que eu gosto, para deixar mais fácil a minha vida alimentar.

SÓ SERGIPE –  Você roda o mundo, mas sua base é Paris?

LARA MENEZES – Não estou baseada em Paris. Hoje, por exemplo, estou baseada em Seul, por quatro meses, mas depois vou para outro lugar e me basearei por lá. Costumo dizer que moro dentro da mala. Minha casa é a mala. Eu tenho minha casa em Aracaju, mas estou sempre no mundo inteiro. Não estou baseada em lugar nenhum. Estou baseada em minha mala; eu moro na minha mala (risos).

SÓ SERGIPE – Como é essa vida de morar na mala?  Em alguma hora que você quer um lugar só seu?

Lara e os pais, Célia e Gilvan, no Arco do Triunfo, em Paris

LARA MENEZES – Hoje digo que me sinto bastante realizada. Eu sempre quis visitar muitos países. Meus pais sempre gostaram de viajar. E me sinto realizada em morar dentro de uma mala. Mas há momentos tristes. Por exemplo: eu não estava em Aracaju quando meu cachorro morreu, pois estava vindo para Seul. Tem estes momentos que não são incríveis. Quando estudava no ensino médio, eu gostava muito de história.  E agora estou vendo ao vivo. Aqui em Seul, eu pude ir no palácio que os japoneses destruíram na guerra; em Paris, pude ver as velas da Revolução Francesa; na Alemanha, vi o que sobrou do muro de Berlim. Eu me sinto muito realizada assim, como estudante árdua de história. Muito incrível. Mas há dois dias eu assistia aos vídeos de momentos lá em casa, indo à praia comer caranguejo, deu saudade, mas gosto muito da vida que tenho hoje.

SÓ SERGIPE – Quais são seus planos para o futuro?

LARA MENEZES – Se tudo continuar dando certo, espero conseguir me aposentar como modelo. Eu invisto parte do meu salário, então com esse dinheiro eu planejo fazer uma faculdade de moda em Milão, no Instituto Marangoni, que é uma faculdade muito renomada.

SÓ SERGIPE – A faculdade de moda, em Milão, é algo certo?

LARA MENEZES –  Exatamente. É o meu sonho. Eu vou fazer faculdade de qualquer jeito (risos).

SÓ SERGIPE – Depois de Seul, qual seu próximo destino?

LARA MENEZES –   Meu próximo destino?  Vou para a Europa fazer Fashion Week de novo, mas ainda não sei se vou para Alemanha, pois tenho alguns trabalhos a fazer por lá, ou Milão, ou Londres. Mas será em algum lugar na Europa.

Lara Menezes gravou um vídeo dando dicas para quem deseja ingressar no mundo da moda. Se você é essa pessoa, vale a pena ver o que ela tem a dizer.

 

Leia Também

“Tenho orgulho desta jornada: saí do menor Estado brasileiro para a segunda maior economia do planeta”, diz a sergipana Daniela Sena

Em 2010,  a sergipana Daniela Sena, 31, decidiu participar de um intercâmbio e voou para …