sábado, 26/09/2020
A reunião do Cogere no Palácio de Despachos Fotos: Mário Souza\ASN

Belivaldo confirma para o dia 15 a retomada das atividades; “mas depende da curva de crescimento da covid”, alerta

Belivaldo Chagas: atento à curva de crescimento da contaminação

O governador de Sergipe, Belivaldo Chagas, apresentou hoje o plano que prevê a flexibilização das atividades econômicas no Estado a partir do dia 15, mas frisou que caso ocorra alguma complicação até essa data, poderá haver alteração. A confirmação da data ocorrerá no dia 8, quando um novo decreto será editado. “Tudo depende não apenas do crescimento da curva de contaminação, mas, principalmente, com relação à ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e também dos leitos clínicos”, frisou.

A definição de uma data para o recomeço das atividades econômicas no Estado foi a pauta principal da reunião do Comitê Gestor de Retomada Econômica (Cogere)  no Palácio de Despachos. Junto com secretários e empresários que compõem o comitê, foram discutidas as propostas e medidas para o desenvolvimento e recuperação da economia nesse momento de pandemia da covid-19.

A intenção de flexibilização não era mais novidade para ninguém, pois o governador já havia falado dessa possibilidade numa recente entrevista coletiva. Depois partiu para a parte prática, quando revogou o decreto que instituía o ponto facultativo às segundas-feiras nos órgãos públicos estaduais. Por enquanto, o governo mantém o ponto facultativo às sextas-feiras.

Leia também: Covid-19: Secretaria de Saúde registra mais 215 casos e seis mortes

Para definir a data de flexibilização, o governador afirmou que está amparado num estudo com critérios técnicos e científicos e pela ampliação dos novos leitos de UTI na rede hospitalar.

Expectativas e observações

Joaquim Ferreira: “plano retrata nossa expectativa”

O coordenador do Fórum Empresarial, Joaquim Ferreira, defendia o início da flexibilização a partir da próxima segunda-feira,8, mas disse ter ficado satisfeito com o planejamento apresentado pelo Governo do Estado. “O plano retrata a expectativa que nós tínhamos, congrega várias sugestões que haviam sido dadas pelas entidades. O governador foi muito sensível nesse aspecto e acatou várias das nossas proposições. Obviamente que tem um ponto ou outro que merece ser aprofundado, mas como o governador mesmo se pronunciou, até a próxima segunda-feira ele está aberto a receber novas sugestões”, pontuou

Já o presidente da Federação dos Empregados no Comércio e Serviços do Estado de Sergipe (Fecomes), Ronildo Almeida, que integra o Cogere, afirmou que fez algumas observações neste plano. “Estamos tentando a retomada da economia. Nós entendemos a grita do setor patronal, mas temos a preocupação com a vida que, para nós é muito mais importante que qualquer rendimento financeiro”, ressaltou.

Para Ronildo, “o governador apresentou-se sensível, inclusive, para propostas e, em cima dessas propostas, nós estamos tentando buscar alguma coisa que traga segurança, tranquilidade para a classe trabalhadora e, principalmente, a preservação da vida que é a coisa mais importante que temos. Isolando essa questão da economia, que nós entendemos ser importante, mas alerto: morto não tem emprego e desempregado arruma outro”.

Leia Também

Resgates superam investimentos no Tesouro Direto em R$ 1,14 bilhão

O Tesouro Direto registrou mais resgates do que investimentos em agosto. Foram realizadas 419.578 operações …