quarta-feira, 23/10/2019
Início » Editorias » Cidades » MP garante que está investigando a “Máfia dos Shows”
Rádio FecomercioPowered by Rock Convert
Forró Siri é uma das festas que estão na mira do MP

MP garante que está investigando a “Máfia dos Shows”

Compartilhe:
JOB Connect - Coworking e Escritório VirtualPowered by Rock Convert

O Ministério Público de Sergipe (MP) divulgou uma nota informando que já vem fazendo investigações sobre o suposto esquema fraudulento de contratação de bandas no Estado. Mas, o caso ganhou repercussão nacional, depois que o jornalista Roberto Cabrini, âncora do programa Conexão Repórter, do SBT, apresentou a primeira parte das denúncias e o intitulou como “Máfia dos Shows”. O programa foi ao ar na última segunda-feira.

Leia também:

Cabo Amintas quer instaurar CPI para apurar Máfia dos Shows

No documento, o MP esclareceu que “tem adotado todas as providências inerentes às suas atribuições constitucionais e legais, não só para o completo esclarecimento dos fatos, como para pleitear, administrativa e/ou judicialmente, as correções e punições que se fizerem necessárias”. E garantiu que “no âmbito ministerial já existem procedimentos instaurados, investigações em curso, bem como ajuizamento de diversas ações civis públicas e criminais”.

Segundo MP, há investigações em diversas promotorias, tanto na capital como no interior, e através do Gaeco (Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado). Os promotores de Justiça têm, ainda, o apoio do Deotap (Departamento de Crimes contra a Ordem Tributária e Administração Pública).

Na nota, o MP ressaltou que “todas as questões que chegam às portas da nossa Instituição estão sendo enfrentadas com agilidade, habilidade e profissionalismo e as promotorias e as procuradorias de Justiça.”

Demandas

Os promotores citaram exemplos de procedimentos que estão sendo apurados pelo MP, como o que ocorrem em Aquidabã, referente à contratação ilegal de bandas. As ações são as seguintes: (processo n. 201860000597) e (processo n. 201860000317).

O mesmo ocorre em Nossa Senhora do Socorro, relacionadas a contratações ilegais de bandas e artistas durante o Forró Siri. Os procedimentos são o de números: 80.18.01.0032; 80.15.01.0044; 80.18.01.0011 e; 80.17.01.0053.

Há também, ações ajuizadas em Carmópolis e Rosário do Catete por ocasião das festas da emancipação política de Carmópolis e a festa “Carnacatete”. Processos nºs 201672101218 -Carmópolis e 201674200438 – Rosário do Catete.

Compartilhe:

Leia Também

Atores sergipanos chamam atenção com performance para tragédia ambiental no Nordeste

Powered by Rock Convert Com os corpos pintados de preto, para simular óleo, um grupo …

WhatsApp chat