segunda-feira, 26/10/2020

Bloco K: adiamento agrada FIES

Ficou para 2017 a entrada em vigor do Livro Registro de Controle da Produção e Estoque no âmbito da Escrituração Fiscal Digital (EFD-ICMS/IPI), conhecido como Bloco K, que será exigido dos estabelecimentos industriais.

Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES), Eduardo Prado de Oliveira, “a decisão de adiar a exigibilidade do bloco K para 2017 foi acertada, mas em 2016 continuaremos trabalhando para que pontos escuros da proposta sejam mais bem esclarecidos”.

O principal intuito do bloco K é exigir das indústrias sergipanas informações sobre o registro de controle da produção e do estoque, ou seja, tudo o que é utilizado no processo de produção do bem final.

A FIES juntamente com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) tem levado propostas ao Comitê de Política Fazendária (Confaz), visando à criação de um software seguro e adequado às necessidades das indústrias brasileiras e sergipanas.

Porém, ainda está sendo discutido um layout adequado para a inserção dessas informações, porque há exemplos de indústrias que sofreriam grandes reflexos negativos com a entrada em vigor do Bloco K, tais como, a metalúrgica, empresas de artefatos de papel, papelão, cortiça e embalagens especiais ou personalizadas, empresas da cadeia de petróleo, indústrias químicas, dentre outras.

Leia Também

“Sempre se pode ganhar dinheiro na saúde ou na doença, na alegria ou na tristeza”, alerta psicóloga Petruska Menezes

“A grande jogada do mercado é que sempre se pode ganhar dinheiro na saúde ou …