quarta-feira, 01/09/2021
A Wind Industrial, empresa catarinense, é especializada no ramo de metalurgia

Governo articula implantação de indústria metalúrgica em Socorro; Unidade sergipana deve gerar cerca de 100 empregos diretos

A prospecção de empresas que desejam se instalar no estado é uma das premissas do Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial (PSDI), que oferece o apoio do Governo de Sergipe ao crescimento do setor por meio da concessão de incentivos fiscais e locacionais. Nesse sentido, dando continuidade a tratativas iniciadas no final do ano passado, Sergipe recebe o novo projeto da Wind Industrial, empresa catarinense especializada no ramo de metalurgia, que foi pauta de reunião realizada na última  quarta-feira (03).

Na oportunidade, o diretor presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Sergipe (Codise), José Matos Lima Filho, recebeu representantes da empresa para alinhar detalhes sobre o início das operações da companhia no Distrito Industrial de Nossa Senhora do Socorro, previsto para o segundo semestre de 2021.

Com mais de 60 anos de atividade no sul do País, a Wind atua no segmento industrial de fabricação de acessórios e componentes em metal para a indústria moveleira, a exemplo de puxadores, fechaduras e dispositivos de montagem, além de produtos para outros segmentos. A unidade sergipana deve gerar cerca de 100 empregos diretos ao final do processo de implantação, a ser iniciado ainda em fevereiro com a entrega do projeto completo e respectiva documentação.

“Com o projeto em mãos, levaremos a proposta ao Conselho de Desenvolvimento Industrial (CDI) no mês de março. A chegada e montagem do maquinário, assim como a fase de treinamento de pessoal, devem ser iniciadas em abril. Com essas etapas, esperamos viabilizar que a fábrica inicie suas operações em Sergipe no segundo semestre”, afirma José Matos.

Incentivos

O presidente da Codise acrescenta que, em um primeiro momento, o Governo deve conceder à empresa, além do incentivo fiscal, incentivo locacional, através do aluguel de um galpão. O espaço deve sediar as operações até que seja viabilizada a aquisição de uma área definitiva, que abrigará a sede da indústria e sua expansão, cuja conclusão está estimada para três anos.

A Wind Industrial foi representada, na reunião, pelo empresário Werner Wind, pelo gerente industrial Jean Carlo Shoulz e pelo diretor comercial Odelir Corrêa. Também participaram da reunião os consultores Jesus Eli e Ivandro Mendes, além do diretor administrativo e financeiro da Codise, Gildo Xavier.

Leia Também

Receita adia para 30 de setembro prazo de regularização do MEI

Cerca de 1,8 milhão de microempreendedores individuais (MEI) com tributos e obrigações em atraso referentes …