quarta-feira, 11/12/2019
Início » Literatura » André Brito » Dona Não-Sei-Quem
Powered by Rock Convert

Dona Não-Sei-Quem

Compartilhe:

Dia desses eu encontrei o gênio IsmaEl Pereira, grande representante mandalístico das artes plásticas universais, e ele comentava sobre uma certa crônica que eu havia escrito no ano passado. O universo, como quem conspira quando quer algo, colocou-me encliticamente diante de algumas outras pessoas que abordaram nas conversas o mesmo texto levantado por IsmaEl. Indagaram-me por qual razão eu não havia publicado ainda aqui no Só Sergipe. Claro, refleti…

Evidentemente, como bom obediente das forças da vontade do universo, publico aqui o que foi escrito em face de um fato, acontecido ano passado, no contexto da realização da %*#$* Copa do Mundo (saudade: nenhuma!), que poderia passar insignificante. Mas não passou. Para vocês, Dona Não-Sei-Quem!

A vida é um livro cheio de lições…boas ou más…porém lições. Sempre temos algo a aprender. Cabe a cada um de nós saber, cirurgicamente, aproveitar os ensinamentos gratuitos que nos cercam a toda hora. Esse ‘saber aproveitar’ diz respeito à capacidade que temos de discernir o que queremos ou não aprender.

Uma dessas lições se insurgiu para mim no dia 08 de julho (logo no dia da emancipação política do meu querido Sergipe, essa terra que amo incondicionalmente!). Era o fatídico dia da semifinal da Copa do Mundo no Brasil entre a nossa ‘seleção’ e a Alemanha, aquele massacre indelével, que não sairá das nossas retinas nem se quisesse.

Eram precisamente 14h30min. Eu, dentro do meu possante e vintage modelo 97, passava pela Avenida Gentil Tavares, nas proximidades do IFS – Instituto Federal de Sergipe. Fazia um friozinho bom, daqueles que dão vontade de estar enrolado num aconchegante lençol…uma costelinha… Uma chuva fina, parecendo uma cortina tênue, caía profetizando as lágrimas que seriam derramadas pelo povo brasileiro em razão das sete flechadas alemãs no nosso coração. De repente, olhei pro lado e vi uma figura humana que me chamou a atenção: uma senhora, de cor negra, aparentando mais de 70 anos, caminhando na pouco movimentada Avenida, ao lado da proteção do canal. Ela levava uma caixa de papelão contendo trecos equilibrada na cabeça, lembrando as antigas lavadeiras com trouxa de roupas e rodilha. A distinta senhora estava na mesma direção que eu, mas resolveu atravessar para a outra pista, cujos carros vinham em sentido contrário.

A chuva… a idade… o peso da caixa… enfim, o contexto mexeu comigo. Sinceramente, fiquei impactado (parecia os jogadores do Brasil no intervalo de pouco mais de seis minutos quando levaram 4 gols). Minha cabeça parecia um liquidificador que bateu informações como uma vitamina e alimentou meu coração. Foi um misto de sensações. Não sei dizer se, naquele instante, senti compaixão, pena, ódio (por ver uma situação daquelas), um verdadeiro paradoxo digno de catarse diante de uma tragédia grega.

Movido por esse impacto, passei a frente do IFS, fiz a volta e parei o carro. Esperei que ela se aproximasse. Chamei-a:

– Minha senhora, boa tarde!

– ô, meu fio, respondeu-me a mulher, vindo na direção do carro, com seu rosto enrugado, olhos de quem já morreu faz tempo, palavras balbuciadas que saíam com dificuldade bilabialmente.

– A senhora tá indo pra onde?

– Pra minha casa.

– Onde fica?

– Perto do campo do Sergipe.

– Bora, eu levo a senhora. Tá chovendo e a senhora tá com esse peso na cabeça. Entre.

A distinta senhora, cujo nome não tive nem a decência de perguntar, simplesmente me disse não. Afirmou que iria caminhando. Agradeceu e, antes de seguir estrada, me pediu uma ajuda “pra comprar a balança”. Como um autômato, sem pensar no que fazia, abri a carteira e lhe dei uma nota de dez reais.

– Ajuda?

– Ajuda.

E balbuciou outras palavras, pra mim, ininteligíveis. E seguiu caminho, curvada, olhar perdido, com a ajuda no bolso. Uma balança pra pesar o quê? Sonhos perdidos?

Naquele instante em que me despedia simbolicamente daquela senhora, questionei a mim mesmo o porquê dela não ter aceitado a minha carona amiga. Meu próprio consciente me respondeu afirmando veementemente que não devemos confiar em estranhos (estamos vivenciando dias de dor, traições e muito sofrimento, verdadeiros descasos com o ser humano). Estava respondida a minha angústia. Ela estava certa. Distância de estranhos. Distância.

Distante ficou meu olhar por alguns instantes, que mais pareceram horas de reflexão. Enquanto a cidade (e o país inteiro) se preparava para assistir à melancólica tragédia futebolística goleatória, aquela senhora, ‘Dona Não-Sei-Quem, deixava em mim uma marca. Vi nela uma representação de um Brasil que sofre, morre vivamente, mas ninguém vê. As pessoas, com suas bandeiras e camisas verdeamareladas, amalgamam tudo que não diz respeito aos seus próprios interesses. E nada veem. E eu achando que ver o Brasil perder pra Alemanha era um sofrimento… ledo e ridículo engano. “Acho que isso vira crônica”.

Compartilhe:

Leia Também

Segurança do trabalho será tema de fórum em Sergipe

Powered by Rock Convert A segurança no trabalho é um assunto de importância ímpar que …

WhatsApp chat