sexta-feira, 27/08/2021
Jorge Prata, sereníssimo da Grande Loja Maçônica de Sergipe, assinou a Carta de Maceió

Maçonaria quer mudanças no país

Iniciar, o quanto antes, a sonhada reforma política, tributária, trabalhista e previdenciária, a fim de que o país tenha condições de trilhar novos caminhos, aperfeiçoando o  sistema democrático do Brasil, com ênfase na meritocracia. Esta é uma das sugestões da Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil (CMSB), instituição que congrega 27 lojas maçônicas dos estados e Distrito Federal, tomadas durante a XLV Assembleia Geral Ordinária da instituição, ocorrida recentemente em Maceió.

Este documento, intitulado Carta de Maceió, está sendo divulgado em todo Brasil, através  das instituições maçônicas, com objetivo de  levar a população o posicionamento dos maçons diante da grave situação que atravessa  o país. A CMSB “reconhece o trabalho desenvolvido pela Polícia Federal, Tribunal de Contas da União, Receita Federal, Ministério Público Federal e Justiça Federal, mormente nas ações de combate à corrupção”.

Na Carta de Maceió, assinada pelo presidente da XLV Assembleia Geral Ordinária da CMSB, Ivanildo Marinho Guedes,  pelo Sereníssimo Grão Mestre da Grande Loja de Sergipe, Jorge Prata, e demais grãos-mestres de todo país, a Maçonaria declarou “total apoio institucional às autoridades, especialmente ao presidente da República, Michel Temer, na medida em que promova ações que garantam o restabelecimento da confiança nos valores que formam o caráter de nossa gente, na recuperação da economia nacional, nos potenciais de nosso país, em suas instituições  sociais e políticas”.

Os maçons querem, também, que sejam adotadas medidas “no sentido de que as obrigações do Estado privilegiem as áreas de educação, saúde, segurança e a inclusão social, eixos fundamentais para o bem desenvolvimento de uma nação”.

O reconhecimento da instituições e sugestões ao governo, por conta do momento crítico que atravessa o país, “sobretudo no que diz respeito aos valores morais e éticos que, inevitavelmente, apresentam como consequência procedimentos rotineiros de corrupção, suborno, tráfico de influência e outros que inviabilizam a vida proba e correta no Brasil”.

A Maçonaria brasileira lamenta que “as apropriações indevidas das finanças públicas por parte de pessoas e grupos, bem como o envolvimento de corporações privadas nesse sistema, geraram um profundo desgaste para a confiança e o conceito do Brasil perante a comunidade internacional”.

A instituição acompanhou – e se somou – a indignação da população que repercutiu  na classe política nacional, “que provocou  um processo de impedimento da presidente da república” e partir deste momento, “instalou-se um governo interino que “tem demonstrado inúmeras iniciativas no afã de restabelecer o crescimento do Brasil, imputando-lhe credibilidade, tanto para os cidadãos, quanto para os países estrangeiros, permitindo que ele retome seu desenvolvimento”.

Leia Também

Governadores divulgam nota em defesa do STF

Catorze, dos 27 governadores, divulgaram um manifesto hoje de apoio aos ministros do Supremo Tribunal …