quarta-feira, 13/11/2019
Início » Editorias » Cidades » O primeiro milagre de irmã Dulce salvou a vida de uma sergipana
Rádio FecomercioPowered by Rock Convert
Irmã Dulce, o Anjo bom da Bahia, será canonizada no domingo

O primeiro milagre de irmã Dulce salvou a vida de uma sergipana

Compartilhe:
JOB Connect - Coworking e Escritório VirtualPowered by Rock Convert

O primeiro milagre de irmã Dulce, o Anjo bom da Bahia, salvou a vida de uma sergipana.  E a carreira religiosa dela também começou em Sergipe, mais precisamente em São Cristóvão, a quarta cidade mais antiga do Brasil. Entre 1933 e 1934, quando tinha 19 anos, ela viveu no Convento São Francisco durante um ano e seis meses para o noviciado na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus.

Convento onde irmã Dulce viveu

O frei Cláudio, prior do Convento dos Carmelitas, disse que Irmã Dulce “viveu a vida normal de noviça, no período de formação, que  era uma vida de oração e trabalho. Ela se dedicou a assimilar a identidade da congregação”. Ele conta que quando  Irmã Dulce chegou de Salvador, tinha uma experiência de vida eclesial, e já trabalhava com os pobres”.

Hoje, o convento onde a religiosa viveu abriga somente homens e mantém um museu com pertences da então noviça. “Nós homens retornamos aqui depois de dois séculos e temos 12 noviços provenientes de vários Estados, principalmente do Nordeste”.

Leia mais sobre a vida de Irmã Dulce

Desde a quinta-feira, que a Igreja do Carmo, no Convento dos Carmelitas, iniciou um tríduo preparatório, que ocorre até amanhã, sempre às 19 horas. Também amanhã,  a partir das 21 horas, haverá uma vigília na Gruta Nossa Senhora de Lourdes, onde a religiosa se recolhia para orar. Essa vigília será com orações, testemunhos e exibição do filme Irmã Dulce. No domingo, 13, às 17 horas, na Igreja do Carmo, missa presidida pelo arcebispo de Aracaju, dom João José Costa.

Embaixadora

Ana Lúcia Aguiar, embaixadora de irmã Dulce

Todo o processo, que se encerra domingo com a canonização de Irmã Dulce, teve o papel fundamental da advogada Ana Lúcia Aguiar, que hoje é uma espécie de embaixadora da freira em Sergipe.

“Estou em estado de graça, com muita emoção, muita fé. Deus me concedeu uma grande graça,  com Irmã Dulce em vida, quando me protegeu num momento perigoso com meu filho no colo”, contou. “Há 27 anos me dedico às obras  para que eu possa dar esse testemunho de amor. Distribuo santinhos, acolho os pobres  e os levo para atendimento médico e para um abrigo”, conta a advogada.

Além disso, ao tomar conhecimento do primeiro milagre de Irmã Dulce, Ana Lúcia atuou no processo que está levando a religiosa à canonização. “Deus me deu a graça de revelar esse milagre que a levou à condição de beata”, frisou Ana Lúcia.

O primeiro milagre atribuído à Irmã Dulce, que levou à beatificação (estágio anterior à canonização) em 22 de maio de 2011, agraciou uma mulher que não a conhecia antes do episódio. Claudia  Cristiane Santos, hoje com 50 anos, recuperou-se de uma grave hemorragia pós-parto, cujo sangramento foi subitamente interrompido.

Cláudia Cristiane foi salva por Irmã Dulce

Moradora de Malhador, no interior de Sergipe, deu à luz o segundo filho em 2001. Após o parto normal, ela apresentou hemorragia incontrolável, que a levou à UTI. Os médicos realizaram todos os procedimentos possíveis, mas já havia poucas esperanças de salvar a vida da paciente. “Chegou um momento em que o médico falou para minha família que não tinha mais o que fazer, só aguardar o falecimento.”

A paciente foi então transferida para Aracaju, onde recebeu a visita de um religioso de sua cidade. “Padre Almir foi me visitar e levou uma santinha, Irmã Dulce. Ele rezou e me entregou a santinha. Depois disso, foi cada dia uma melhora”, acrescenta Claudia. Segundo ela, nem o médico que realizou o parto acreditou quando a viu chegar ao hospital para uma revisão. Hoje, Claudia Santos é devota de Irmã Dulce e agradece sua vida à intercessão naquele momento.

“Acompanhei todo esse processo, guardei esse segredo até o Vaticano reconhecer o milagre e considerá-la uma beata”, contou Ana Lúcia. Irmã Dulce tornou-se beata em 22 de maio de 2011.

Ana Lúcia planejou ir ao Vaticano, mas por “imprevistos”, como ela faz questão de frisar, ficou no Brasil e assistirá a cerimônia, ao lado de Cláudia, em Salvador, no local onde Irmã Dulce morava.

Compartilhe:

Leia Também

Manchas de óleo não avançaram em alguns Estados, diz Marinha

Powered by Rock Convert O contra-almirante Alexandre Rabello de Farias, chefe do Estado Maior de …

WhatsApp chat