domingo, 25/10/2020

Justiça desafiada: professores mantêm a greve

Mesmo com a decisão da Justiça de considerar a greve ilegal e aplicar multa diária de R$ 10 mil caso as aulas não recomecem imediatamente, os professores da rede estadual decidiram manter a paralisação. Pouco mais de 500 pessoas participaram da assembleia, hoje à tarde (segunda-feira, 25), no Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe. A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Sergipe (Sintese), Ângela Melo, disse que o imposto sindical deverá ser usado para pagar as multas judiciais.

A atitude do desembargador, ao invés de intimidar os professores, causou mais a ira da categoria. Os discursos foram bastante inflamados, como o do professor Joel Almeida, diretor de comunicação do Sintese. Ouça um trecho.

A presidente do Sintese, Ângela Melo, também se irritou, não só com a atitude da Justiça, mas com o Governo do Estado que não atende a nenhuma das reivindicações da categoria.  Os professores querem o reajuste do piso nacional de 13,01%. Ouça o que disse a professora Ângela.

Nesta terça-feira, a partir das 8 horas da manhã, os professores farão um ato em frente ao Tribunal de Justiça de Sergipe para protestar contra a liminar do desembargador José dos Anjos, colocando o movimento na ilegalidade. O Sintese recorrerá da decisão. Na quarta, também às 8 da manhã, o alvo  das manifestações será o Palácio dos Despachos.

No dia 28, quinta-feira, às 9 horas, assembleia no Instituto Histórico e no dia 29, sexta, às 14 horas, ato público pelo dia nacional de paralisação na praça General Valadão, no centro de Aracaju.

Leia Também

“Sempre se pode ganhar dinheiro na saúde ou na doença, na alegria ou na tristeza”, alerta psicóloga Petruska Menezes

“A grande jogada do mercado é que sempre se pode ganhar dinheiro na saúde ou …