quinta-feira, 13/05/2021
Nova lei vai substituir outras três Foto: Lexlatim/Pixabay

Nova lei traz mudanças para licitações e contratações públicas

A nova Lei de Licitações e Contratos Administrativos (Lei 14.133/21) foi o tema desta manhã do programa Congresso em Pauta, da Tv Alese. No dia 1º de abril, o presidente Jair Bolsonaro sancionou o novo marco legal que trata das normas gerais de licitação e contratação para as Administrações Públicas diretas, autárquicas e fundacionais da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios.

A nova lei deve substituir a atual Lei das Licitações (Lei 8.666, de 1993), a Lei do Pregão (Lei 10.520, de 2002) e o Regime Diferenciado de Contratações (Lei 12.462, de 2011), modificando as normas referentes aos sistemas de contratação da administração pública.

Com isso, o novo marco legal cria regras para União, Estados e municípios e prevê cinco tipos de licitação: concorrência, concurso, leilão, pregão e diálogo competitivo.

Durante o programa Congresso em Pauta foi exibido um vídeo do relator do projeto, senador Antonio Anastasia (PSD-MG). O parlamentar defendeu que os institutos trarão uma renovação da gestão pública brasileira, pela sua agilidade, adequação, modernidade e transparência.

Ao vivo, em entrevista concedida ao  Congresso em Pauta, o auditor do Tribunal de Contas do Espírito Santo, Herbert Almeida, que também é professor de Direito Administrativo, esclareceu aspectos da lei e revelou que a atual lei é mais vantajosa e moderna, deixando para trás a lentidão e a burocracia das leis anteriores.

Muito embora a nova Lei de Licitações já esteja em vigor, Hebert Almeida destacou que a revogação das normas anteriores ocorrerá  apenas no prazo de dois anos. “Nesse período, as regras novas vão conviver com as antigas e a Administração Pública poderá optar por qual aplicar em cada processo de contratação. O que a Administração não pode fazer é a combinação do regime novo com o antigo no mesmo processo de contratação”.

Ele também frisa, e  faz uma alerta, quanto a parte dos crimes licitatórios destacados em lei. “Nesse caso, se substituiu de imediato as regras anteriores e agora integra o Código Penal”.  De acordo com o novo marco, para  crimes em licitações e contratos administrativos, a pena é de  quatro a oito anos de reclusão mais multa para envolvidos em contratações fora da lei.

Sobre os Tribunais de Contas e a nova lei, o auditor ressalta que o momento agora é de orientação. “Os órgãos de controle e o gestor trabalham juntos. Nesse momento, eu entendo que o papel dos órgãos de controle é de se preparar  e de promover eventos de qualificação para que a própria administração pública  esteja pronta para utilização das novas normas”, compreende.

O deputado federal Fábio Mitidieri (PSD) também falou sobre o tema no programa, e defendeu que o novo marco regulatório da licitação traz uma legislação mais transparente e menos sujeita a fraudes e irregularidades. Fábio foi eleito segundo vice-presidente da comissão especial que analisou alterações na Lei de Licitações (8.666/93).

Mudanças do novo marco

O novo marco cria modalidades de contratação, tipifica crimes relacionados a licitações e disciplina itens do assunto em relação às três esferas de governo: União, estados e municípios. Entre outras mudanças, o texto permite seguro-garantia nas licitações, o que poderá contribuir para a redução de obras inacabadas, e cria um portal nacional de contratações públicas para centralizar os procedimentos licitatórios dos entes federados por meio de um banco de dados unificado.

Leia Também

Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia

Sete em cada dez micro, pequenas ou médias empresas (73,4%) do país estão fazendo vendas online durante …