domingo, 11/07/2021
Moradores de rua ganharam jantar e presentes

Moradores de rua ganham banquete em Aracaju

As famílias que desde o final de novembro ocupam a praça São Judas Tadeu, na  rótula que liga as avenidas Hermes Fontes, Nestor Sampaio e Sílvio Teixeira tiveram uma noite diferente, ontem, 23. Os adultos ganharam roupas, as crianças brinquedos e ainda um jantar caprichado, cujo cardápio foi estrogonofe, arroz, batata palha, refrigerantes  e um buffet de sobremesas variado.  Esse banquete foi preparado pelo grupo  de voluntários Colecionadores de Sorrisos, que atua em hospitais mas, pela primeira vez decidiu fazer um jantar para moradores de rua.

Nós nos preparamos há um mês para fazermos algo diferente e mostrar a essas pessoas que ela não estão esquecidas”, disse a fundadora e coordenadora do grupo, a estudante de Direito Tayane Michele Santos Rocha. Por isso, ela e outras 30 pessoas saíram às ruas na terça-feira dispostas a fazer diferente. A princípio foram para o centro da cidade, mas, chegando lá, perceberam que já havia um grupo ajudando moradores neste lugar. No entanto, alguém deu uma ideia de ir para a avenida Hermes Fontes onde há  pessoas carentes precisando de ajuda.

Com comida e presentes para cerca de 100 pessoas, os Colecionadores de Sorrisos  colocaram mesas e cadeiras no passeio e as convidaram para o jantar. E não faltaram olhares surpresos, um tanto desconfiados e, no final, muito sorriso. Que o diga Michel de Souza Santos, 27, que reside em um barraco no bairro 17 de Março, na zona de expansão de Aracaju. Junto com a mulher Valdeci dos Santos, 51, ele ganhou roupas e jantar.

Michel: "isso é muito gratificante"
Michel: “fomos tratados com amor”

“Isso é muito gratificante para nós, que fomos tratados com amor e alegria, apesar de só ter isso uma vez por ano”, comentou Michel. Ele disse que ficará ali na praça São Judas Tadeu até o dia 29 deste mês. Junto com ele estava Edinalva Siqueira, 41 anos, que reside na Padre Pedro e, pela primeira vez, decidiu ir pedir esmola, aproveitando o momento natalino. “Todos os anos eu ficava dizendo que viria, mas desta vez decidi e valeu a pena”, afirmou Edinalva que  adorou o jantar e as roupas que recebeu. Ela e o casal Michel e Valdeci são apenas algumas das 40 pessoas que, todo final de ano acampam na praça em busca de ajuda.

Presente –  Há quatro meses integrando os Colecionadores de Sorrisos, o professor de música Marcelo Oliveira  ganhou na noite desta terça-feira o seu presente de Natal. “Isso aqui (o trabalho voluntário) é um presente de Natal para todos nós”, afirmou. Nessa mesma noite, eles ainda foram para  a avenida Tancredo Neves, nas proximidades do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) onde mais pessoas carentes seriam alimentadas e receberiam presentes.

Pela primeira vez, a enfermeira Andra Shirlei Santos, e a pedagoga Clécia Nascimento, estavam integradas ao grupo e disseram estar felizes em poder ajudar às pessoas. “Fiquei emocionada com uma criança que veio pedir um lençol”, contou Clécia. Para ela e Andra, compartilhar esse momento com pessoas carentes, “conversar, dar um sorriso, tocá-las” foi muito importante.

O sargento reformado da Polícia Militar, Moacir Rocha Filho, tinha motivos mais que suficientes para estar alegre. É que a iniciativa do jantar foi da filha dele, Tayane Michele, daí a satisfação. “Hoje mesmo ela teria que ir ao médico, mas como estava organizando tudo, não teve condições”, contou. “Ela só pensa em ajudar ao próximo e, às vezes, se esquece dela mesma”, completou.

O grupo Colecionadores de Sorrisos foi fundado há três anos, mas está ativo há um ano e meio. Eles trabalham fazendo visitas, principalmente, ao Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). Para conhecer um pouco mais sobre o grupo basta visitar a fanpage no Facebook. E para entrar, basta querer. Afinal, “a falta de tempo não justifica não ajudar outra pessoa. Basta parar, olhar em volta e ser humano”. E assim, colecionar sorrisos.

Leia Também

Jornalista e escritor Gilson Sousa doa livros à biblioteca da Unit

Com um acervo de mais de 150 mil exemplares, a Biblioteca Jacinto Uchôa de Mendonça, …