domingo, 26/05/2019
Início » Editorias » Cidades » “Órgãos de fiscalização precisam ser fortalecidos”, diz Alessandro Vieira sobre tragédia em Brumadinho
Duplichaves
O senador Alessandro Vieira sugere criação de força tarefa para dar apoio às famílias de Brumadinho

“Órgãos de fiscalização precisam ser fortalecidos”, diz Alessandro Vieira sobre tragédia em Brumadinho

Publicado em 27 de janeiro de 2019, 11:05

O senador eleito Alessandro Vieira defendeu hoje, 27, em nota publicada nas redes sociais, a necessidade de “fortalecer os órgãos de fiscalização, garantindo a sua efetiva atuação com equipes que conheçam as novas tecnologias de segurança e com infraestrutura que permita que este trabalho seja realizado”.  O posicionamento foi em virtude da tragédia em Brumadinho, onde uma barragem da mineradora da Vale se rompeu, na última sexta-feira, e, até o momento, provocou a morte de 37 pessoas.

Ele alerta que o “licenciamento e fiscalização precisam deixar de ser tratados com barreira ao desenvolvimento como garantia da segurança ambiental e social”. A tragédia de Brumadinho ocorreu três anos e dois meses após o desastre ambiental em Mariana, quando uma barragem da Samarco (e também da Vale) se rompeu mantando 19 pessoas (um corpo nunca foi encontrado) e com danos ao meio ambiente que devem perdurar por longos anos.

Outra preocupação de Alessandro Vieira é com o rio São Francisco. Segundo ele, é preciso “impedir que a contaminação chegue a Furnas e ao Velho Chico e é necessário estudar formas de retirada da lama e descontaminação da região”.

Leia agora, na íntegra, a nota do senador eleito Alessandro Vieira que, quando foi redigida, consta que havia sete mortos.  Na atualização desta manhã, no entanto, esse número é de 37 mortos.

“Precisamos de uma atuação integrada”

Três anos depois de Mariana, o rompimento da Barragem de Brumadinho (MG) torna-se o maior desastre humano e ambiental do país.

Segundo a Companhia Vale do Rio Doce já são 354 pessoas oficialmente declaradas desaparecidas e sete mortos.

Os danos ambientais para a região são enormes, visto que os metais pesados se sedimentam no solo e contaminam o lençol freático.

Uma força tarefa precisa ser criada para garantir o apoio a estas famílias e todas as comunidades do entorno.

Outra iniciativa precisa ser realizada para impedir que a contaminação chegue a Furnas e ao Rio São Francisco e é necessário estudar formas de retirada da lama e descontaminação da região.

Em paralelo, precisamos de uma atuação integrada do legislativo, executivo e de representantes da indústria mineradora para pensar em formas de garantir a segurança das mais de 24.092* barragens que temos no país. Sendo 3.543 já classificadas em categoria de risco e 5.459 classificadas como dano potencial (Fonte: Relatório de Segurança de Barragens [ANA]).

Garantir o cumprimento da lei de licenciamento, fiscalizar intensivamente e readequar as análises de risco são medidas essenciais que precisam ser tomadas. Para isso precisamos fortalecer os órgãos de fiscalização, garantindo a sua efetiva atuação com equipes que conheçam as novas tecnologias de segurança e com infraestrutura que permita que este trabalho seja realizado.

Licenciamento e fiscalização precisam deixar de ser tratados como barreira ao desenvolvimento e ser reconhecidos como medidas para a garantia da segurança ambiental e social.

Neste momento é imperativo nos unirmos para apoiar a população de Brumadinho. Esta é a prioridade!

Mas temos, enquanto lideranças públicas, que nos empenhar para que não tenhamos nunca mais tragédias dessa natureza.

Senador Alessandro Vieira

JOB Connect - Coworking e Escritório VirtualPowered by Rock Convert

Leia Também

Passageiros recebem 28 ônibus novos

Os usuários do transporte coletivo de Aracaju já têm à disposição 28 novos ônibus, um …