sexta-feira, 25/05/2018
Início » Colunistas » Antônio Carlos Garcia » O rato, a ratoeira e o Rio
Ilustração: Rildo Bezerra

O rato, a ratoeira e o Rio

Share Button

Numa fazenda, um rato vivia tranquilamente até que um dia o fazendeiro trouxe uma ratoeira e isso o deixou aterrorizado.  No Rio de Janeiro, os bandidos tomaram conta do Estado, diante da inércia de muitos governadores – hoje, um deles, é bandido e está preso –  até que na sexta-feira passada, o presidente Michel Temer anunciou a intervenção na segurança pública e convocou o Exército para tentar arrumar a casa.

Lá na fazenda, o rato, coitado, saiu para buscar ajuda dos outros bichos,  anunciando que havia uma ratoeira na casa, mas sem sucesso. A vaca, o porco, a galinha, todos diziam que o problema era do rato e não deles. O porco, mais sensível, até prometeu lembrar do rato em suas orações.

A terra de ninguém, em que se transformou o Rio, será problema apenas dos cariocas e fluminenses? Ou, tal qual o rato desnorteado com a ratoeira, todos os brasileiros devem se preocupar com o que pode ocorrer naquela cidade?

Muito provavelmente, os chefes do crime organizado já se organizaram (a redundância é proposital) e já têm diversos planos em mente. As Forças Armadas há tempos já se prepararam para essa empreitada. Qual é o inocente que vai acreditar que a intervenção no Rio foi decidida na madrugada de quinta para sexta-feira? Ela foi anunciada na sexta, isso sim!

Antes da intervenção, o que se viu no Rio de Janeiro e nos demais Estados foram os governantes profissionais de plantão olhando para o próprio umbigo. Sempre se comportaram como a vaca, a galinha e o porco, nem ligando para as preocupações do rato que, nesse caso, somos todos nós.

Mas e agora?  A história mostra que os governantes nunca estiveram preocupados com o rato,  e mesmo, neste momento, ao ouvirem o estalar da ratoeira colocadas pelas Forças Armadas no Rio de Janeiro, não vão nem querer saber.

Diante da classe política que temos (e já tivemos), não é difícil imaginar que eles se comportarão tal qual o porco, a galinha e a vaca.

E como na fábula, o desejo é que esses políticos profissionais, em outubro, tenham o mesmo fim do porco, da galinha e da vaca.

Quer saber o fim dos bichos? Leia a fábula.

http://hcroberty.blogspot.com.br/2013/12/a-fabula-do-rato-e-ratoeira.html

 

Share Button
WWebsites

Leia Também

Quem se salva?

Um ex-presidente preso, um ex-militar controverso e uma ex-ministra que só ressurge das matas amazônicas …