quarta-feira, 23/01/2019
Início » Artigos » O belo e a fera
Duplichaves

O belo e a fera

Share Button
Ana Carolina Matias

A aparência é o que nos chama atenção em alguém no primeiro momento e através dela temos uma boa ou ruim impressão. Mas, o que nem sempre nos perguntamos é sobre a nossa aparência e o que ela causa às pessoas. Cada um de nós traz um passado, marcas internas e externas de amores, experiências e tudo o que a vida pode nos proporcionar.

Sorrisos Quebrados, da portuguesa Sofia Silva, Paola traz em si marcas externas e internas de fantasmas do passado, de pessoas que passaram pela sua vida e a marcaram de formas imensuráveis. André por outro lado, traz consigo marcas que só outra pessoa traumatizada por aqueles que amamos entenderia e enxergaria.

Apesar de carregar consigo o medo causado por alguém especial, André tem o seu Sol, ou melhor, a sua Sol. Sua filha que, com quatro anos, já experimentou o que nenhum ser humano deveria ter experimentado e por consequência, carrega cicatrizes que nenhuma outra criança da sua idade entende.

Mesmo com os medos, traumas e experiências do passado, Sol e Paola se conectam e desabrocham uma na outra o que nenhuma outra pessoa conseguiu. Já André, encantado e agradecido com a felicidade da sua filha, busca conhecer e entender mais da mulher que conseguiu chegar onde ninguém, fora ele e a família, chegou.

Aparência, segredos, sentimentos, amor e confiança. São coisas que à primeira vista podem te assustar, mas se você olhar de novo e mudar de perspectiva,  podem te abrir uma porta para um novo e mundo melhor.

Obrigada, Sofia Silva, pelas lições e pelo lindo romance que é real. São pessoas reais, sentimentos reais. É fictício apenas por ser um livro não biográfico, mas são casos reais;  pessoas vivem isso diariamente, o mundo vive isso diariamente. É muito bom ter esperança, mesmo que através de um livro.

Share Button
WWebsites

Leia Também

Sergipe amarga segunda derrota na Copa do Nordeste

Jogando pela Copa do Nordeste, na noite de terça-feira, 22, no Baptistão, o Sergipe perdeu …