sexta-feira, 26/04/2019
Início » Colunistas » Antônio Carlos Garcia » Desculpas que não convencem
Duplichaves
Ilustração: Rildo Bezerra

Desculpas que não convencem

Publicado em 18 de setembro de 2017, 11:48

Nunca antes na história desse país, se viu tanta desculpa esfarrapada e sem senso dadas à mídia por parte de políticos e empresários, desde que foi deflagrada a Operação Lavajato em 17  de março de 2014.  Os integrantes desta sórdida quadrilha, que deveriam ilustrar o Baralho do Crime criado pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia, se valem de frases de efeito para passarem a imagem de que tudo está tranquilo com eles.

Mesmo na cadeia, morrendo de medo de ser estuprado, o gordinho não perde a linha e segue de nariz empinado dando respostas prontas, anunciando como um messias às avessas, de que a verdade um dia será reestabelecida. Outro diz que o mundo todo mente e só ele tem a verdade. Esse clichê exclusivo do Lula e demais companheiros. Mas tem também  os dos tucanos, pemedebistas, enfim toda a laia que se aboleta no Congresso Nacional.

É paradoxal, que um sujeito como Gedel Vieira Lima diga que “está tranquilo” , mas chore  nas duas vezes que foi preso e  ainda se borre de medo  e peça para sair da prisão diante do risco de ser a mocinha da vez.  O cara morre, vira sabe-se lá o quê, mas não perde a fleuma.

Nos telejornais o que mais se ouve: “sou perseguido pelas elites”, “ a culpa é da mídia” e “estou estarrecido” . O chefe maior da quadrilha, segundo a Polícia Federal e Ministério Público Federal, demonstra “serenidade” diante das sucessivas provas que se avolumam contra ele. E vem com o discurso que o país está crescendo, mas esquece os 14 milhões de desempregados, entre outras mazelas.

Diante das últimas flechadas do agora ex-procurador da República, Rodrigo Janot, pergunta-se: como se sairá o chefe da maior nas negociações para ter o apoio do Congresso e não virar réu?  Essa negociação, sem dúvida, está ocorrendo nos bastidores. No entanto, enquanto isso, as palavras como “serenidade e tranquilidade” nunca foram tão repetidas nos telejornais.

Mas de todas as desculpas dadas pelas assessorias, uma, muito provavelmente, todo mundo já decorou.  “ ….  está colaborando com as autoridades no esclarecimento de todos os fatos por ela revelados. E reafirma o seu compromisso com a verdade, com o combate à corrupção e com uma atuação ética, íntegra e transparente, no Brasil e em todos os países em que atua.”

Nunca antes na história desse país, se viu empresa assim.

Quem sabe o nome dela?

Leia também:
Que país é esse?

Leia Também

STF nosso de cada dia: censura, disformidade jurídica e perplexidade

Na escola, na academia e na sociedade qualquer aprendiz de Direito espera que o Supremo …