quarta-feira, 15/08/2018
Início » Literatura » Certidão de nascimento do Atheneu Sergipense
Duplichaves
Colégio Atheneu Sergipense

Certidão de nascimento do Atheneu Sergipense

Share Button

 

Prof. Dr. Jorge Carvalho do Nascimento

Criado em 24 de outubro de 1870, através de regulamento provincial, o Colégio Atheneu Sergipense somente começaria a funcionar no ano seguinte, 1871. Quando da publicação do Regulamento Orgânico da Instrução Pública, a província de Sergipe era presidida pelo tenente-coronel Francisco José Cardoso Júnior e tinha como inspetor-geral de instrução o bacharel Manoel Luís Azevedo D’Araújo, formado pela Faculdade de Direito de Recife e crédulo de que a educação era a única força capaz de mudar a vida social dos sergipanos. O regulamento proposto por Manoel Luís substituiu a legislação que vigorava desde o ano de 1858 e foi anunciado como a alternativa necessária para moralizar o ensino, cobrar a qualificação dos professores e disciplinar os serviços de inspeção escolar. O ato de criação estabeleceu o funcionamento de dois cursos: o de Humanidades e o Normal. Este último

Tenente-coronel Francisco José Cardoso Júnior

mais tarde viria a se desmembrar, sendo transformado em Escola Normal, hoje Instituto de Educação Rui Barbosa.

Pesquisadores da história da educação em Sergipe, como Maria Thétis Nunes, reiteraram a importância do regulamento que criou a instituição de ensino e da contribuição daquele colégio para a formação da elite intelectual sergipana. A instituição surgiu para ser o maior expoente do ensino público secundário de Sergipe, o mais alto padrão de escola local, definidor do tipo de civilidade que a elite local pretendia forjar. A sua instalação somente ocorreria, efetivamente, em 03 de fevereiro de 1871, repercutindo muito na vida social aracajuana. Antes disto, no dia cinco de janeiro do mesmo ano, o inspetor geral das aulas e primeiro diretor do Atheneu, Manuel Luiz d’Azevedo e Araújo, cuidou de promover a primeira reunião da congregação dos lentes do Colégio. Dela participavam seis professores: Thomaz Leopoldo Deogo, Geminiano Paz d’Azevedo, Raphael Arcanjo de Moura Matos, Antônio Diniz Barreto, Tito Augusto Souto d’Andrade e Ignácio de Souza Valadão. Os dois últimos não participaram da reunião. Tito Augusto estava no exercício de outra função no governo da Província e Ignácio Valadão se encontrava na Província da Bahia, a serviço do governo de Sergipe, onde fora visitar a Escola Normal com o objetivo de conhecer o programa e os compêndios de Pedagogia ali utilizados.

A primeira reunião dos lentes do Atheneu foi convocada em função do próprio regulamento de 24 de outubro de 1870, segundo o qual naquela oportunidade seria eleito o secretário do estabelecimento de ensino e uma comissão encarregada de elaborar os estatutos do colégio. No processo de escolha do secretário da escola, o professor Geminiano Paz d’Azevedo recebeu dois votos, empatando assim com o seu colega Raphael Arcanjo de Moura Matos, que foi sufragado também por dois docentes. O professor Thomaz Leopoldo Deogo também teve seu nome lembrado, mas recebeu apenas um voto. O empate encaminhou a escolha para um sorteio entre os dois lentes mais votados e o professor Raphael Arcanjo de Moura Matos foi escolhido deste modo para exercer a função durante o ano de 1871. Para a comissão responsável pela elaboração dos estatutos do Atheneu foram indicados os professores Thomaz Leopoldo Deogo e Geminiano Paz d’Azevedo.

Antes mesmo da instalação do Atheneu, foi realizada a segunda reunião da congregação dos lentes do colégio, no dia doze de janeiro, sete dias após a realização da primeira sessão. Esta segunda reunião foi convocada por Manoel Luís para discutir e aprovar os estatutos propostos pela comissão designada no dia cinco de janeiro. Dela esteve ausente apenas o professor Tito Augusto Souto d’Andrade. Na discussão dos estatutos do Atheneu foi analisado o trabalho elaborado pela comissão que fora anteriormente designada. O documento foi encaminhado à apreciação do presidente da Província. A congregação aprovou também a indicação dos compêndios destinados à cadeira de Pedagogia, trazidos pelo professor Ignácio Valadão da visita que fizera à Escola Normal da Província da Bahia. A congregação determinou que a lista de livros fosse publicada no jornal oficial da Província de Sergipe e incorporada aos estatutos do colégio. O programa para a solenidade de instalação do Atheneu também foi discutido pela congregação, tendo sido determinada a celebração de uma missa e indicado o professor Geminiano Paes como orador que deveria falar em nome dos docentes.

O conjunto de informações existentes nas duas primeiras atas do Atheneu Sergipense e mais os registros que se seguem no primeiro livro de atas da congregação daquela secular instituição de ensino constituem uma espécie de certidão de nascimento do colégio, contendo a memória da formação das lideranças dos grupos da elite que atuaram em Sergipe e em outras regiões do Brasil a partir do último quartel do século XIX.

Share Button
WWebsites

Leia Também

Cartas de adolescente vão parar na Netflix

Para os amantes de romances adolescentes vai uma boa notícia. A empresa de streaming Netflix …