quinta-feira, 21/09/2017
Início » Colunistas » Daniele Wanzeller » Baleia Azul do Mal
Baleia azul

Baleia Azul do Mal

Share Button

Hoje em dia, qual criança não faz uso de um computador, tablet ou smartphone? Raro aquele que responda: “Meu filho não! “

Mas você sabe o que seu filho ver em canais do YouTube, como exemplo, ou joga pela internet?

Há algumas semanas estourou na mídia um novo jogo que anda assustando os pais. É o jogo da baleia azul. O marketing deles é o desenho de uma baleiazinha azulzinha que de tão bonitinha atrai as crianças e principalmente os adolescentes. Mas de bonitinha não tem nada, o jogo é macabro onde há diversos desafios que envolve automutilação e até mesmo o suicídio.

O brasil é o oitavo país com mais número de suicídios, atingindo principalmente jovens entre 15 e 29 anos de idade.

Precisamos ficar mais atentos ao que se passa com nossos filhos, ver o que eles estão assistindo na internet, jogando em celulares e computadores.

Há vários programas que ajudam nesse processo como o helpline que é um canal gratuito que oferece orientação a crianças, adolescentes e familiares que sofre de situações de violência on-line como humilhações, intimidações, chantagem, tentativa de violência sexual ou exposição forçada em fotos ou filmes sensuais e ensina formas seguras de uso da internet. É só acessar www.helpline.org.br

Há também o Centro de Valorização da Vida – CVV que oferece ajuda por telefone, chat, Skype, e-mail e presencialmente é só ligar para 141.

Se você acha que de alguma forma seu filho mudou de comportamento, está mais recluso no quarto, mais agressivo. Procure orientação de um profissional

Então pessoal, fiquem ao lado de seus filhos, conversem, orientem, fale uma linguagem de acordo com a idade dele. Participem.

Espero ter ajudado de alguma forma.

No meu canal existe um vídeo falando sobre o assunto, é só acessar Dani Tagarela no YouTube.

Beijos…

 Visite  o blog: www.danitagarela.com.br

Share Button
WWebsites

Leia Também

Pais permissivos

Do severo ao permissivo

Sempre ouvimos por aí que o tempo passou e o modo de educar evoluiu. Que não precisamos bater para educar.

Deixe uma resposta