terça-feira, 21/11/2017
Início » Editorias » Cidades » As aventuras de um casal argentino em Aracaju
As apresentação na praça do Grageru
As apresentação na praça do Grageru

As aventuras de um casal argentino em Aracaju

Share Button

Os semáforos de Aracaju estão cheios de gente lavando para-brisas e fazendo mil e uma piruetas na frente dos carros para conseguir algum dinheiro.  O detalhe é que nem todos estão nesses locais por conta da pobreza extrema, mas sim por decidirem ter um estilo de vida aventureiro. É justamente isso que move o casal de argentinos Cristian Gabriel Reynoso, 23, e Julieta Calderon, 24, que saiu do seu país há um ano e três meses para conhecer o Brasil e outros países. Para se sustentarem, eles fazem malabarismo nas sinaleiras da praça São Judas Tadeu, no Grageru, que liga as avenidas Nestor Sampaio, Hermes Fontes e Sílvio Teixeira, na zona sul de Aracaju, todos os dias. “Aqui é bom, temos conseguido algum dinheiro”, garantiram.

Cristian, Julieta, o amigo Lucas e os cachorros: sonho de sair pelo mundo

O casal se conheceu há cinco anos, mas começou a namorar há dois.  Foi a partir do romance, que decidiram sair da Argentina para conhecer o mundo pedindo carona pelas estradas. “Queríamos conhecer outras culturas, outras línguas fazendo uma viagem”, disseram. E sem conhecerem a língua portuguesa, sem saber nada ainda de artesanato ou malabares, eles colocaram as mochilas nas costas e partiram rumo ao desconhecido.

Eles chegaram ao Brasil pelo Paraná, depois foram para São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia e agora estão em Sergipe.  Eles estavam no Rio durante as Olimpíadas e, naquela ocasião, foi difícil vender artesanato. De lá, decidiram ir para Minas Gerais e a viagem, sempre de carona, foi pavorosa. “Foram oito horas de terror num caminhão dirigido por um motorista bêbado”, relembra Julieta. Enfim, o casal chegou a Belo Horizonte são e salvo.

Julieta e Cristian adoraram a Bahia, foram nos pontos turísticos, seguiram para Valença e conheceram Morro do São Paulo, mas não venderam nada nessa praia.  Há cinco meses em Sergipe, o casal alugou um pequeno quarto em Itabaiana, cidade serrana, distante 50 quilômetros da capital. Cheio de tralhas e com dois cachorros, todos os dias eles chegam ao Grageru para mais um dia de apresentação.

Cristian toca um tambor e Julieta mostra suas habilidades nos malabares para os motoristas. Pouco antes do sinal verde, eles caminham sorrindo entre os carros a espera de um dinheiro dos espectadores. Nem sempre, ganham, claro, mas não desanimam.  No próximo sinal vermelho, o show continua.

E assim deve continuar a vida do casal que, depois de Sergipe, seguirá para Maceió. “Queremos conhecer todo o  litoral nordestino. Nosso plano é ir para Colômbia e não temos ideia quando voltaremos para a Argentina”, disseram. As famílias de ambos, sempre recebem notícias.

E saberão que os filhos foram personagens de uma reportagem em Aracaju.

Share Button
WWebsites

Leia Também

conab

Pequenos agricultores sergipanos recebem R$ 738, 3 mil da Conab

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) está investindo R$ 738,3 mil em sete novos contratos ...

Deixe uma resposta